Sábado, Fevereiro 27, 2021
- Publicidade -

Torres Novas: Oito refugiados iraquianos chegaram exaustos e a desejarem paz

Um casal de jornalistas, com um bebé de colo e outro com cerca de dois anos, provenientes do Curdistão, no norte do Iraque. Um casal de engenheiros civis de Bagdade, a quem roubaram um filho há cinco anos e que nunca mais conseguiram encontrar, até que desistiram e decidiram fugir. Trouxeram um filho pequeno e outro homem, familiar, na fuga à guerra. A mulher, Noora, está grávida. Falam pouco inglês, estão exaustos e só querem alguma paz. Muhammed diz “Obrigado” em português. Portugal, comentara em iraquiano, é um país de paz.

- Publicidade -

São oito pessoas, mais uma a caminho. Chegaram a Torres Novas por volta das 17h30 na terça-feira, 24 de maio, tendo uma recepção informal na Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes como o executivo camarário. Na prática, é explicado posteriormente ao mediotejo.net pelo representante do Conselho Português para os Refugiados, não se tratam ainda de refugiados, mas de requerentes de asilo que ainda não obtiveram o estatuto.

Fugiram há mais de um ano do Iraque (o país faz fronteira com a Síria e também está invadido pelo Estado Islâmico), estiveram na Turquia, apanharam um bote para atravessar o Mediterrâneo e atracaram na Grécia. Fazem parte do contingente de refugiados que está a ser recolocado no âmbito do programa da União Europeia e em que Portugal assumiu que receberia 4574 pessoas. Até ao momento o país recebeu 250. Três outras pessoas foram distribuídas, a título individual, pelo distrito de Santarém esta terça-feira. O mediotejo.net não conseguiu saber em que localidades.

- Publicidade -

foto mediotejo.net
foto mediotejo.net

A recepção na Biblioteca contou com a presença do presidente da Câmara, Pedro Ferreira, e dos vereadores Elvira Sequeira, Luís Silva e Helena Pinto. “Consideramos que são torrejanos a partir deste momento”, frisou Pedro Ferreira, explicando que escolheram esta zona de Torres Novas para a recepção por ser mais acolhedora. O autarca apelou assim a que o grupo aprenda português e que participe na comunidade.  “Estamos convosco para apoiar na caminhada”.

Do grupo falou Muhammed em iraquiano, com tradutor. Agradecendo o bom acolhimento, referiu que vão aprender português e procurar integrar-se. “Acreditamos que em Portugal há paz e que são boas pessoas”, declarou. “Passámos por muitas dificuldades, saímos da guerra, da morte, saímos de muitas dificuldades mas graças a Deus chegámos a Portugal. Acreditamos que a nossa vida vai mudar”.

Depois deste acolhimento, as duas famílias foram levadas para as casas preparadas para os receber em Torres Novas.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

3 COMENTÁRIOS

  1. Isto é uma vergonha, sou de torres novas pedi uma casa camarária e foi me recusada fui obrigada a sair do meu país , agora chegam os refugiados até tem uma chegada com toda a gente na biblioteca. Parabéns Portugal. Parabéns Torres Novas merecem uma salva de palmas

    • Uma vergonha é o teu comentário quando comparas a tua situação com uma situação de guerra. Ainda bem que saíste de Portugal. Não fazes cá falta nenhuma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).