Torres Novas | Nutrigreen à venda em leilão por quase 2 milhões de euros

Instalações da Nutrigreen, em Videla, Zibreira, Torres Novas. Foto: DR

A Nutrigreen, empresa que atuava na área da transformação de frutas em sumos, purés e derivados, situada junto às portagens da A23 no concelho de Torres Novas, vai ser vendida em leilão no dia 25, sexta feira, pelas 15 horas, no próprio local.

PUB

PUB

Esta venda, promovida pela leiloeira Avalibérica, surge na sequência dos processos de insolvência das empresas Nutrigreen, S.A. e Nutrigreen II Salads, S.A., que correm no Tribunal Judicial de Santarém.

As instalações da empresa são visíveis para quem circula no nó da A23 com a A1 na zona da Zibreira, sendo, por isso, uma localização privilegiada.

PUB

Resultado de um investimento de 22 milhões de euros, a Nutrigreen foi criada em 2007 por Carlos Carvalhinha com o apoio de um fundo de investimento do Banco Espírito Santo.

Era uma empresa de referência, distinguida pela inovação na agro-indústria de fruta e legumes, chegando a empregar 140 trabalhadores. Venceu vários prémios internacionais de inovação de que são exemplos a barra de fruta criada em 2012 ou o puré de fruta. Mas o que mais vendia eram os sumos naturais e as saladas embaladas, que produzia para grandes “players” nacionais como Continente ou Pingo Doce.

As dificuldades de tesouraria começaram a surgir há cerca de quatro anos, o que obrigou a empresa a acionar, em dezembro de 2015, um processo de revitalização. Mas a situação agravou-se e culminou com um processo de insolvência em outubro de 2017.

A empresa parou a produção, foi nomeado Jorge Calvete como administrador, pelo Tribunal Judicial da Comarca de Santarém, e iniciaram-se os procedimentos para recuperar os valores necessários à cobertura da dívida. À cabeça na lista de credores, surge o Novo Banco, com 20,46 milhões de euros em capital e juros, mais de metade do total dos créditos reconhecidos que somam 34 milhões de euros.

No leilão do dia 25, o bem imóvel mais valioso são os pavilhões com dois pisos e logradouro, com área total de 14.127 m2, à venda por um preço base de 1.909.800 euros. No total, as parcelas urbana e rústica somam 29.367 m2 de área.

No seu interior estão, em boas condições de funcionamento, todas as máquinas e equipamentos industriais destinados à produção, e que vão ser leiloadas divididas em 58 lotes.

Um sistema de limpeza e desinfeção automática tem como preço base 200 mil euros, uma linha para extração de fruta, 175 mil euros, só para dar alguns exemplos que se podem encontrar no catálogo da leiloeira.

De resto, à venda no leilão há toda uma panóplia de equipamento diverso, maquinaria, mobiliário de escritório e equipamento informático, câmaras de frio, viaturas ligeiras de mercadorias, empilhadores, depósitos, linhas automáticas para cortar, extrair e embalar vegetais e fruta, porta-paletes, estantes, entre outros.

PUB
APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser), através do IBAN PT50001800034049703402024 (conta da Médio Tejo Edições) ou usar o MB Way, com o telefone 962 393 324.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here