- Publicidade -

Segunda-feira, Dezembro 6, 2021
- Publicidade -

Torres Novas | Município e Agrupamento avançam com contratação de auxiliares para escolas

Após a polémica com a falta de auxiliares nos centros escolares do Agrupamento de Escolas Gil Paes, em Torres Novas, a instituição avançou para um concurso de contratação de um assistente operacional. De recordar que tanto o Centro Escolar de Assentis-Chancelaria como o Centro Escolar de Olaia-Paço tiveram problemas neste arranque de ano letivo devido à falta de pessoal auxiliar, muitos por baixa médica. O município também já moveu esforços para tentar resolver o problema.

- Publicidade -

O anúncio, publicado a 28 de novembro em Diário da República por despacho do diretor do Agrupamento de Escolas Gil Paes, destina-se a um assistente operacional (em concreto para  auxiliar de ação educativa) para um regime de contrato de trabalho em funções públicas a termo resolutivo certo. A candidatura deverá ser entregue em suporte papel, num prazo de 10 dias a contar da data da publicação.

Duas das escolas do Agrupamento de Escolas Gi Paes foram notícia neste primeiro período escolar devido à falta de auxiliares. Em outubro o Centro Escolar de Assentis-Chancelaria teve que fechar mais cedo, cerca das 15h00, porque não havia pessoal para cuidar das crianças durante o prolongamento escolar. Seguiu-se em novembro o caso do Centro Escolar de Olaia-Paço, a funcionar em Lamarosa, onde os pais acabaram por fechar a escola a cadeado exigindo condições, uma vez que restavam apenas duas, das cinco, auxiliares para tomar conta de 57 crianças de pré-escolar e primeiro ciclo.

- Publicidade -

As queixas em reuniões de câmara e assembleias municipais em torno da falta de auxiliares têm sido recorrentes no último ano. Aquando o caso de Olaia-Paço, o presidente da Câmara de Torres Novas, Pedro Ferreira, admitiu ao mediotejo.net que se vivia um momento atípico de baixas médica. No entanto, salientou, a legislação não tem facilitado a contratação de recursos humanos. Ainda assim, adiantou, o município ia tentar avançar para a contratação de 17 assistentes operacionais.

Na reunião camarária de 14 de novembro foi aprovada a abertura de um procedimento concursal para um assistente operacional, por tempo indeterminado, para exercer funções como auxiliar de ação educativa.

Foi ainda mencionado que o município fora entretanto buscar 10 pessoas ao centro de emprego, sendo que alguns dos auxiliares em baixa médica já haviam regressado às escolas. O vereador Joaquim Cabral (PS) reforçaria que a escola de Olaia-Paço também já havia sido reforçada com uma auxiliar, transferida pelo agrupamento para aquele espaço.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

  1. As mães assumirem-se como voluntárias na substituição de assistentes operacionais nas escolas até pode parecer muito bom à primeira vista. Só espero que essas voluntárias não acabem por resolver o problema e, assim, ser adiada a contratação de funcionários… Também me interrogo se todas as situações estão ponderadas, nomeadamente em caso de uma destas voluntárias sofrer um acidente… estará coberta por algum seguro de trabalho?

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome