Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Outubro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | História da Escola Prática de Cavalaria em livro

O livro “Escola Prática de Cavalaria – Memória (1890/2013)” foi lançado no passado domingo, dia 16, em Vila Viçosa (Évora) por ocasião das comemorações do Dia da Arma de Cavalaria e dos 311 anos do Regimento de Cavalaria 3 (RC3). A nova obra literária partilha a História desta unidade militar desde a sua criação em Vila Viçosa (1890) até à sua desativação em Abrantes (2013) na sequência da criação da Escola das Armas.

- Publicidade -

A transferência da EPC para as atuais instalações da Escola Prática de Polícia, em Torres Novas, ocorreu no ano de 1902 e esta localização motivou a presença do presidente da Câmara Municipal de Torres Novas, Pedro Ferreira, no lançamento do livro, que teve lugar na Igreja dos Agostinhos após a cerimónia militar presidida pelo chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), General Rovisco Duarte.

O presidente da CM de Torres Novas, Pedro Ferreira, e o CEME, General Rovisco Duarte. Foto: CM Torres Novas

- Publicidade -

Durante a sua passagem pelo concelho torrejano, a EPC adotou a designação de Escola de Equitação, em 1911, e de Escola de Aplicação de Cavalaria, em 1925, regressando ao nome inicial no ano seguinte. Três décadas mais tarde, deu-se um novo processo de transferência, desta vez para Santarém, iniciado em 1955 e concluído em 1957.

A partir de 2006, a EPC passou a ocupar as instalações do extinto Regimento de Infantaria n.º 2, em Abrantes, onde permaneceu até 2013, data em que se procedeu à sua desativação efetiva, no dia 1 de outubro, por Despacho do Ministro da Defesa Nacional datado de 3 de julho desse ano.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome