PUB

Torres Novas | Há seis escolas desativadas que não encontram interessados

O município de Torres Novas viu serem-lhe devolvidas pelas respetivas juntas de freguesia seis antigas escolas primárias, desativadas, que não encontraram interesse junto de nenhuma associação ou utilidade pública. Os edifícios clássicos do Estado Novo integram uma listagem de imóveis que vão a hasta pública, ainda em data a definir.

Segundo o vice-presidente da Câmara, Luis Silva, explicou ao mediotejo.net, as velhas escolas de Outeiro Pequeno, Chancelaria, Casais de Igreja, Carvalhal do Pombo, Outeiro Grande e Beselga de Cima já foram duas vezes a hasta pública e continuam sem encontrar nova utilização. Os edifícios haviam sido cedidos em protocolo às respetivas juntas de freguesia (Chancelaria e Assentis), mas devolvidos ao município por não ter havido interesse nem da junta nem de alguma associação para seu usufruto. “Mas a grande maioria estão entregues a associações”, ressalvou Luis Silva, referindo-se às antigas escolas de 1º ciclo desativadas com a inauguração dos novos centros escolares.

A hasta pública foi aprovada na reunião de câmara de 1 de agosto e ainda não há data marcada. As bases de licitação vão de 18 mil euros (escola de Outeiro Pequeno) a 83 mil euros (escola de Beselga de Cima). As antigas escolas de Pafarrão e Pedrógão foram retiradas da listagem após um contacto realizado com as juntas de freguesia.

Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).