- Publicidade -

Terça-feira, Dezembro 7, 2021
- Publicidade -

Torres Novas | Gala do Desporto distinguiu os melhores e homenageou Quina, decana da patinagem (c/fotos e video)

A segunda edição da Gala do Desporto de Torres Novas teve como madrinha a campeã olímpica Rosa Mota. Na sexta-feira, 9 de fevereiro, foram distribuídos 14 prémios, definidos por voto secreto, mais 32 distinções aos campeões nacionais e internacionais de Torres Novas do último ano. A fechar o evento, Joaquina Ramos Deus, mais conhecida por “Quina”, recebeu uma homenagem de carreira pelo seu trabalho ao nível da patinagem.

- Publicidade -

A cerimónia de entrega de prémios desportivos tinha já confirmada a presença do secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, mas a presença de Rosa Mota foi a surpresa da noite. O presidente da Câmara de Torres Novas, Pedro Ferreira, abriu a cerimónia, frisando que “esta Gala pretende sobretudo promover ainda mais a prática desportiva no concelho e na região”, assim como hábitos de qualidade de vida e de boa cidadania.

Agradecendo a todos os que contribuem para o desporto no concelho, o autarca deixou a promessa de que se vai avançar com a reabilitação há muito esperada da pista de tartan do Estádio Municipal de Torres Novas, um anúncio muito aplaudido.

- Publicidade -

João Paulo Rebelo deixou a mensagem de que se deve combater a batota no desporto. “Cada um de nós tem que dar um contributo para erradicar esse fenómeno”, defendeu, salientando que os valores do desporto são os da inclusão. Elogiaria assim o contributo das Galas como a de Torres Novas, que reconhecem não só o mérito dos atletas como também o seu trabalho.

Rosa Mota subiu ao palco para entregar alguns prémios, tendo deixado poucas mas fortes palavras. “Temos que agradecer aos nossos adversários”, constatou, porque sem eles não haveria competição. Mas, frisou, “jogo limpo dá-nos autoestima e não nos envergonha”.

A Gala do Desporto premeia equipas e desportistas torrejanos, através de um conjunto de 14 categorias a que se podem candidatar os vários clubes do concelho. Este ano o município recebeu 80 candidaturas, tendo o número sido reduzido a 41 nomeações e eleitos os vencedores por voto secreto.

No setor masculino, Paulo Vakulyuk (Clube de Natação de Torres Novas – CNTN) recebeu o galardão para o melhor atleta com idade até 14 anos. Joel Catariano (União Desportiva e Recreativa da Zona Alta – UDRZA) foi o melhor atleta entre os 15 e os 18 anos e Gonçalo Neves (CNTN) o com mais de 19 anos.

A nível feminino, Margarida Morais (CNTN) foi considerada a melhor atleta até à faixa etária dos 14 anos. Entre os 15 e os 18 anos distinguiu-se Nádia Carvalho (Núcleo do Sporting de Torres Novas – NSTN) e com mais de 19 anos Ana Nair Dias (Clube de Judo de Torres Novas).

O atleta revelação do ano foi José Pedro Vieira (CNTN). Os sub14 masculinos do Clube Desportivo de Torres Novas – Organismo Autónomo de Basquetebol (CDTN-OAB) foram considerados a equipa do ano. João Sousa, da mesma equipa, foi eleito treinador do ano. Já o prémio associação/clube do ano foi para a UDRZA.

Abertura da Gala do Desporto de Torres Novas, com a presença de Rosa Mota. Presidente Pedro Ferreira

Publicado por mediotejo.net em Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2018

No desporto escolar, distinguiu-se a equipa de basquetebol iniciados masculinos do Agrupamento de Escolas Gil Paes. No desporto adaptado, o prémio foi atribuído a David Antunes, do Centro de Reabilitação e Integração Torrejano (CRIT). O prémio de dirigente do ano foi para Luís Sénica (UDRZA) e o de mérito desportivo para Marco Sousa (CNTN).

O município distinguiu ainda as 32 vitórias nacionais e internacionais do desporto torrejano, num total de 47 troféus atribuídos. A Gala encerrou com um prémio carreira a Joaquina Ramos Deus, patinadora que promoveu essa prática desportiva no concelho ao longo de 50 anos. Emocionada, a treinadora dedicou o prémio aos pais.

“Não sei se há mais algum concelho que num só ano tenha tantos campeões nacionais”, comentou Pedro Ferreira, encerrando assim a cerimónia.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome