Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | Exposição sobre Maria Lamas na AR adiada devido a luto nacional

A exposição “Maria Lamas – Mulheres, Paz, Liberdade”, com inauguração marcada no Palácio de São Bento para esta quinta-feira, dia 19, foi adiada para data a confirmar. O município de Torres Novas informou em comunicado que a alteração se deve aos dias de luto nacional decretados pelo Governo devido às vítimas dos incêndios que assolaram o país no fim-de-semana passado.

- Publicidade -

Maria Lamas, figura incontornável da cultura e política nacionais, motivou a parceria entre o município torrejano e a Assembleia da República para a organização desta mostra temática centrada no período entre a década de 20 e o 25 de Abril de 1974 da vida da escritora, tradutora, editora, jornalista e ativista política que seguiu o lema de vida “sempre mais alto”.

A exposição partilha uma fase do percurso trilhado pela “Tia Filomena” que aconselhava as jovens através da revista Modas & Bordados, fez a diferença ao escrever os fascículos “As Mulheres do Meu País” e se cruzou com a história de Portugal, desde a monarquia à democracia, e do mundo, como o Maio de 68, em França.

- Publicidade -

As convicções materializaram-se no Conselho Nacional de Mulheres Portuguesas e no Movimento de Unidade Democrática e participou em eventos icónicos, como o Congresso Mundial da Paz em Ceilão. Os valores em que acreditava deram-lhe a liberdade de viajar pelo mundo, mas também a privaram dela ao ser presa pela PIDE.

As lutas, as causas e a ação de Maria Lamas, nascida no concelho de Torres Novas em 1893 e falecida em Lisboa no ano de 1983, podem ser visitadas mediante marcação (Museu Municipal Carlos Reis: museu.municipal@cm-torresnovas.pt ou 249 812 535).

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome