Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas: Estradas e dívidas animam assembleia municipal

Muitas estradas por arranjar, muitos milhões de dívida a pagar ao Grupo Lena. A assembleia municipal de Torres Novas de 29 de fevereiro centrou-se na discussão do excesso de endividamento do município e no grande número de requalificações na rede viária que necessitam de ser pensadas com urgência. O presidente da Câmara, Pedro Ferreira, chegaria a manifestar-se afetado pelas insinuações ao seu caráter, sublinhando que existe uma listagem das necessidades e que estão a ser definidas prioridades.

“Temos mais de 60 estradas e arruamentos em mau estado”, referiu Pedro Ferreira logo após a primeira ronda de intervenções, onde quase todos os deputados e presidentes de junta apontaram um problema ou um projeto com que não concordavam para uma estrada ou arruamento no concelho. O casa da Rua da Fábrica foi dos mais mencionados, com o Bloco da Esquerda a manifestar-se contra a solução encontrada para o local, que alarga a estrada em prejuízo dos passeios.

O tema das estradas e arruamentos regressou à discussão no momento em que se votou o ponto 2, sobre um empréstimo de 600 mil euros destinado às obras da Avenida João Paulo II e aos arruamentos em Pé de Cão. António Gomes interveio, referindo que esta votação não se destinava concretamente a arranjar estradas, mas de “um empréstimo para ter dinheiro a tempo” de cumprir o acordo de 1,9 milhões de euros de indemnização ao Grupo Lena (caso Almonda Parque). “O Orçamento de 2016 vai todo para a construtora do Lena e nem chega, porque temos que pedir ao Banco”, reforçaria mais tarde face a dúvidas levantadas em relação à sua abordagem sobre o teor da votação.

A CDU concordou, o PSD contestou a distorção da votação, o PS apoiou a Câmara. Ramiro Silva (CDU) chegaria a sugerir que se fizessem assembleias municipais extraordinárias sobre o Almonda Parque ou o Convento do Carmo.

Face à discussão, Pedro Ferreira ergueu-se da sua cadeira e falou de pé para toda a assembleia. Sublinhando a sua honestidade, afirmou que teve que tomar uma decisão em Tribunal Arbitral sobre o Almonda Parque, da qual não se arrepende. Referiu também que o município tem um endividamento de cerca de 20 milhões, com casos que vão de pagamentos de 2 a 16 anos, mas que para se resolver os problemas das pessoas é necessário saber gerir a dívida. “Estamos numa muito boa posição” a nível do ranking nacional das autarquias, referiu, sublinhando que sabe o que está a fazer.

A discussão ainda se perdeu durante algum tempo no excesso de endividamento da Câmara, na dívida ao grupo Lena e no novo empréstimo de 600 mil euros. António Gomes referiria que nunca foi dito à população de Pé de Cão que seria necessário um empréstimo para realizar a prometida obra da estrada.

O tópico 2 acabaria por ser aprovado por maioria, com a abstenção do PSD e votos contra do Bloco de Esquerda e da CDU.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here