Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Setembro 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | Empreitada do Almonda Parque adjudicada por mais de um milhão de euros

A Câmara Municipal de Torres Novas adjudicou a empreitada do Almonda Parque à empresa Lusitânia – Sociedade de Construções, Lda., de Tomar, pelo valor de um milhão de euros, acrescido de IVA. A decisão foi tomada na reunião camarária de dia 16 de dezembro. Uma obra que promete mudar a face da zona central e histórica da cidade com os trabalhos a decorrerem ao longo de 12 meses.

- Publicidade -

Conforme explica a Câmara em nota de imprensa, “esta intervenção pretende contribuir para a revitalização e qualificação do centro histórico através da transformação do espaço em parque urbano, permitindo promover a fruição e a acessibilidade ao rio, bem como restaurar e reabilitar os equipamentos existentes”.

Fazem parte desta empreitada a construção do parque público, a construção de uma nova ponte da Bácora, a intervenção no Moinho dos Duques, nos arruamentos, incorporando a ciclovia e requalificação da zona da Tarambola.

- Publicidade -

Inclui ainda trabalhos como a estabilização de taludes através de aplicação de bio rolo, estacas de madeira e muros em gabiões vivos, a construção de ciclovia em pavimento suave, a implantação de equipamentos geriátricos de “fitness”, a instalação de mini-ecopontos e iluminação decorativa e pública LED.

Está previsto também o redimensionamento e otimização de sistema de drenagem de efluentes, a demolição da Ponte da bácora existente e a sua reconstrução com recurso a novos materiais, infraestruturas e iluminação, a  reconstrução/reabilitação da Tarambola e envolvente, a substituição da iluminação pública existente com postes e cabos aéreos por cablagem enterrada e novos suportes integrados no projeto, a construção de decks e melhoria da acessibilidade ao rio e ao centro comercial e a recuperação e consolidação de uma parcela do edificado do Lagar, com o objetivo de evocar a memória espacial do moinho no seu território.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome