Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 31, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | BE quer que se discuta dívidas da Rodoviária e falta de assistentes operacionais

Na reunião camarária de Torres Novas de 9 de maio, terça-feira, a vereadora do Bloco de Esquerda (BE), Helena Pinto, deixou duas propostas para debate. A primeira para que a Rodoviária seja notificada do valor em dívida e que se atualize a anuidade e a segunda para que se discuta a falta de assistentes operacionais nas escolas e quais as efetivas necessidades do município.

Sobre a Rodoviária, Helena Pinto constatou que “a Rodoviária do Tejo não paga ao Município a devida anuidade por contrapartida da exploração da central pública de camionagem desde 1996″. “Num momento em que se fala na necessidade da Câmara Municipal aumentar as receitas, é inadmissível que a Rodoviária do Tejo continue sem pagar as anuidades em dívida”, referiu, lembrando que há um ano o tema já havia sido levantado pelo BE. 

Sem prejuízo de se discutir e decidir sobre como resolver em definitivo o enquadramento da chamada “Fracção A” e a imputação dos custos das obras realizadas, o BE propõe que a Câmara Municipal delibere no seguinte sentido: Notificar de imediato a Rodoviária do Tejo sobre o valor em dívida das anuidades e solicitar o respectivo pagamento; Cumprir a deliberação camarária de 13 de Junho de 2000, actualizando o valor da anuidade para 30 mil euros, sem prejuízo de futura avaliação ditar um valor superior”.

No tema dos assistentes operacionais, Helena Pinto referiu que “a preocupação sobre a falta de recursos humanos nos centros escolares é uma preocupação expressa, por variadas vezes, pelos serviços, pelos pais e mães, pelos professores e professoras. O BE tem também expressado esta preocupação sempre que se discute o Mapa de Pessoal ou se decidem procedimentos concursais”.

Para que o debate e a decisão a tomar seja informada, consideramos necessário que a Vereação esteja munida da seguinte informação:quantos lugares, para esta categoria, estão abertos no Mapa de Pessoal?; qual o número de lugares necessários para o bom funcionamento dos Centros Escolares? quanto custa o preenchimento destes lugares, descontada a comparticipação do Ministério da Educação?”, enumerou

“Para o BE esta é uma questão urgente e tendo em conta os prazos legais dos concursos deve ser tomada o mais rapidamente possível para que exista a garantia de que o próximo ano escolar decorre com a normalidade e a qualidade necessária”, terminou.

Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome