Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Setembro 24, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Torres Novas | “Autores de Cá” com Paula Araújo na Biblioteca Municipal

A Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes (BMGPL), em Torres Novas, recebe esta quinta-feira, dia 7 de novembro, às 18:00, a escritora e professora Paula Araújo para mais uma edição de “Autores de Cá”, um espaço destinado a todos os autores locais que queiram apresentar um projeto de escrita, música, arte ou novas ideias.

- Publicidade -

Paula Araújo, natural de Lamego, viveu 22 anos em Torres Novas e reside atualmente em Riachos. Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, pela Faculdade de Letras de Coimbra em 1992, é, desde 1991, professora de Inglês. Em 2004, publicou em edição de autor o conto autobiográfico “Cumpriu-se a Sentença do Céu.”

Durante alguns anos escreveu artigos de opinião no semanário regional “O Riachense” e em 2011 publicou uma coletânea de dez contos infantojuvenis para todas as idades intitulada “Histórias Sem Idade” (Chiado Editora). Em 2014, com “Salvador e a Talha da Felicidade” (Edições Vieira da Silva), estreia-se no romance juvenil.

- Publicidade -

Com “Os Segredos do Lapedo” (julho, 2017, Textiverso), continua na vertente do romance juvenil e, desde setembro de 2017, tem participado nas antologias da Chiado Editora, Edições Vieira da Silva e Cordel d’ Prata, com vários géneros literários.  No final de março de 2018, publicou o seu primeiro grande romance, “O Trilho da Rata Cega”, chancela da editora Cordel d’ Prata, livro que foi agraciado com o Troféu Cordel d’ Prata – Melhor Obra de 2018.

Os autores interessados em apresentar os seus projetos devem agendar as suas propostas previamente com a biblioteca, através dos contactos: 249 810 310 ou biblioteca@cm-torresnovas.pt.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome