PUB

Torres Novas | Assembleia Municipal aprova interdição de uso de glifosato

A proposta de interdição do uso de glifosato nos serviços do município e juntas de freguesia, que partiu do presidente da Assembleia Municipal de Torres Novas, José Trincão Marques, foi aprovada por unanimidade na sessão de segunda-feira, dia 22. Na sequência de uma sentença de várias tomadas de posição públicas sobre os perigos da substância, a moção foi globalmente bem recebida, mas alertou-se para o aparecimento de outros problemas.

Esta “recomendação à Câmara Municipal e Juntas de Freguesia para a interdição do uso de glifosato no concelho de Torres Novas” já não é bem novidade, tendo o Bloco de Esquerda apresentado uma outra há dois anos, que foi recusada. No entanto, José Trincão Marques introduziu novos argumentos à discussão, tendo conseguido reunir consenso sobre o documento.

A moção refere que “o glifosato tem utilização muito alargada na agricultura em geral e pode também ser encontrado à venda em grandes superfícies comerciais abertas ao público, para usos mais domésticos, sendo também amplamente usado na limpeza de vias públicas, jardins e em linhas de água para controlo de espécies vegetais espontâneas”. Este químico “é muito usado nomeadamente pelas autarquias locais”, continua, mas “tem vindo a ser cientificamente relacionado como causa de vários problemas ambientais e de saúde pública”, sendo que muitos municípios já abandonaram o seu uso.

Entidades como a Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro (AIIC) da Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Ordem dos Médicos consideraram o glifosato como perigoso e provável causador de cancro. “O princípio da precaução, a correlação direta e o nexo de causalidade entre o glifosato e os efeitos nocivos para a saúde, comprovada pela Organização Mundial de Saúde, impõe que tomemos medidas sérias e urgentes que salvaguardem a saúde pública e o ambiente no concelho de Torres Novas”, refere o texto.

“É necessária a urgente promoção de espaços públicos sem glifosato, com o recurso a meios mecânicos, térmicos, manuais ou outros”, afirma. A assembleia aprovou assim recomendar à Câmara Municipal e juntas de freguesias que tomem como “objetivo urgente” a interdição do uso de glifosato nos espaços públicos do concelho de Torres Novas. Ainda que a Câmara apoie as freguesias na fase de transição para meios alternativos ao glifosato e realize esclarecimentos aos agricultores sobre os perigos do químico. “Que se estude e implemente um plano alternativo à utilização de glifosato, promovendo espaços públicos livres deste pesticida, com recurso a meios mecânicos, térmicos, manuais ou outros; que se abandone em definitivo a utilização de pesticidas à base de glifosato nos espaços públicos do concelho de Torres Novas”, termina.

O PSD, CDU e o Bloco de Esquerda saudaram a proposta. Já o presidente do Pedrógão, Paulo Simões, alertou que, não obstante os benefícios, esta interdição vai trazer novos problemas aos presidentes de junta, que não têm meios para andar a limpar continuamente as ervas, que sem este químico irão crescer muito mais depressa.

Cláudia Gameiro
Cláudia Gameiro, 32 anos, há nove a tentar entender o mundo com o olhar de jornalista. Navegando entre dois distritos, sempre com Fátima no horizonte, à descoberta de novos lugares. Não lhe peçam que fale, desenrasca-se melhor na escrita

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).