Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Novembro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Várzea Grande vai ter postos de carregamento para veículos elétricos (c/áudio)

A Câmara Municipal de Tomar ratificou por unanimidade o protocolo entre o Município e empresa E-plug, Lda que regula o direito de uso de oito lugares do parque de estacionamento na Várzea Grande para instalação e exploração de pontos de carregamento de veículos elétricos.

- Publicidade -

Em reunião de Câmara, a presidente do Município de Tomar, Anabela Freitas (PS), explanou a urgência de ter aprovado em despacho o protocolo de modo a que a empresa pudesse, conforme definido, iniciar a instalação dos equipamentos no início do presente mês de maio. A autarca referiu também que a possibilidade de os postos de carregamento, de acesso ao público, serem instalados junto à estação não é viável uma vez que tal não estava contemplado no projeto.

Com período de vigência de 10 anos, o protocolo prevê a instalação de postos de carregamento normal, à semelhança dos já existentes na Alameda e nos parques de estacionamento cobertos da cidade, mas também de carregamento rápido. “Fora dos grandes centros, fora de Lisboa e Porto, seremos das primeiras cidades a ter carregamento rápido”, admitiu o vice-presidente da autarquia nabantina, que sublinhou que o facto de “irmos ficar já com um carregador rápido, que na prática permite dois postos de carregamento porque cada um dos carregadores dá para dois veículos, vai ser uma mais-valia particularmente na perspetiva turística”.

- Publicidade -

“Um carregamento mais rápido permite, por exemplo, a alguém que vem só a Tomar almoçar poder fazer esse carregamento durante esse período de almoço”, exemplificou. “O facto de ter carregadores diferenciados com certeza vai ter um preço diferenciado. E isso permite que um munícipe que tem mais tempo deixe lá o carro algumas horas e pague um preço mais baixo do que aquilo que vai ser o preço do carregamento rápido”, acrescentou.

Áudio | Hugo Cristóvão, vice-presidente da CM Tomar

Quantos aos encargos desta instalação, manutenção bem como consumo de energia, a presidente da Câmara Municipal de Tomar admite que “para a Câmara não traz custos. Instalação, manutenção, funcionamento, a questão da energia elétrica, é tudo com eles [empresa]”.

“De facto, o Município aqui não tem qualquer risco, até porque ainda por cima a obra da Várzea já foi feita com a pré-instalação dos carregadores. Já estava no projeto onde é que os carregadores elétricos iriam ficar. Não há sequer necessidade de fazer nenhuma obra de adaptação, está tudo pronto a montar. Portanto, o Município não tem aqui qualquer risco. O risco é todo da empresa: pode correr bem, pode correr mal”, completou o vice-presidente Hugo Cristóvão, que relembrou um protocolo firmado com uma outra empresa para instalação de 16 postos de carregamento elétrico, cujo processo não está a correr de forma tão favorável.

Áudio | Hugo Cristóvão, vice-presidente da CM Tomar

Quanto ao presente protocolo, a vereadora Célia Bonet (PSD) mostrou-se reticente quanto aos 10 anos de validade do mesmo, admitindo falta de “conforto técnico” na documentação para uma tomada de decisão favorável.

“Outra situação que me deixa um pouco apreensiva é que é feito um protocolo com uma empresa externa por um período de 10 anos. Eu não sei se este tempo é muito ou pouco ou se é o correto. Se a Câmara deveria receber uma compensação monetária da empresa ou não. Não há aqui nenhuma documentação que nos diga qual vai ser o custo para o Município. (…) Da minha parte, que não sou entendida no assunto, vou votar favoravelmente um pouco só pelo tema, porque precisamos, de facto, de carregadores”, assumiu.

Em resposta à vereadora, o vice-presidente da autarquia, Hugo Cristóvão, referiu que o período temporal tem que ver “com aquilo que a empresa entende como o prazo para rentabilizar ou pelo menos não ter prejuízo com o equipamento e também com a própria durabilidade do equipamento”.

Abrantina mas orgulhosa da sua costela maçaense, rumou a Lisboa com o objetivo de se formar em Jornalismo. Foi aí que descobriu a rádio e a magia de contar histórias ao ouvido. Acredita que com mais compreensão, abraços e chocolate o mundo seria um lugar mais feliz.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome