Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar: Tardes de verão no coreto do Jardim da Várzea Pequena

A música chegou ao coreto do Jardim da Várzea pequena no passado dia 2 de julho e por ali se manterá nas tardes de sábado e domingo. O programa da iniciativa “Verão no Coreto” abrange os meses de julho, agosto e setembro e propõe atuações de 14 grupos locais, dois concertos de world music e um encontro de bandas.

- Publicidade -

O “Verão no Coreto” começou neste mês de julho e prolonga-se até 4 de setembro com espetáculos marcados para as 17h30 de sábado e domingo. Até à data já passaram pelo Jardim da Várzea Pequena a Banda Filarmónica Paialvense, o Rancho Folclórico de Alviobeira, a Banda da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais e o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Peralva.

No próximo fim-de-semana sobem ao coreto o Rancho Folclórico de Linhaceira (dia 23) e a associação Canto Firme (dia 24), terminando o mês com as atuações da Banda Filarmónica Paialvense e a realização do 9º Encontro de Bandas da Pedreira, a 30 e a 31, respetivamente.

- Publicidade -

Chega então agosto e o programa inclui seis atuações. A Sociedade Banda Republicana Marcial Nabantina (dia 6) e o Rancho Folclórico “Os Camponeses” de Minjoelho (dia 7) marcam presença logo no início, seguidos pela Banda Filarmónica Paialvense (dia 13) e o Grupo de Cantares da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais (dia 14).

O mês do verão por excelência é também altura de world music. Ao Grupo de Música Ligeira da Sociedade Recreativa e Musical da Pedreira (dia 20) e ao Rancho Folclórico “As Lavadeiras” de Asseiceira (dia 28), juntam-se a bandas Al-Jiçç Quartet (dia 21) e Gapura (dia 27).

A iniciativa despede-se no primeiro fim-de-semana de setembro, 3 e 4, com as atuações dos Ranchos Folclóricos S. Miguel de Carregueiros e “Os Canteiros” da Pedreira.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here