Tomar | Tabuleiros com pão e flores naturais voltaram a honrar o Espírito Santo em Carregueiros

Tabuleiros adornados com pão e flores naturais e espinhas de trigo, encimados pela pomba do Espirito Santo, voltaram a desfilar este domingo, 20 de maio, pela localidade de Carregueiros, Tomar, em mais uma Festa em honra do Divino Espírito Santo.

PUB

Os tabuleiros são da altura das raparigas que os trazem e correspondem tradicionalmente a uma promessa feita ou agradecimento de graça recebida, sendo constituídos com suas fiadas pentaculares (5 canas),cada uma com 6 pães de 400 gramas.

Rui Graça, elemento da Confraria do Divino Espírito Santo, explicou ao mediotejo.net que esta festa é a realização de um cortejo que tem como objetivo honrar o Divino Espírito Santo sendo que este ano não se conseguiu arranjar uma comissão (assumida por um juiz e mais sete irmãos) para assegurar a realização da festa no próximo ano pelo que será a mesa administrativa da Confraria a receber a coroa para ficar responsável pela organização da mesma.

PUB

Cortejo realiza-se pelas ruas da localidade de Carregueiros, entre a Capela de Santo Amaro e a Igreja Matriz Foto: mediotejo.net

A festa em honra do Divino Espírito Santo consiste no desfile de Tabuleiros – semelhantes aos da Festa dos Tabuleiros de Tomar – sendo a diferença é que aqui são usadas flores naturais e não de papel.

PUB

“A nossa festa é estritamente de carácter religioso”, explica Rui Graça, admitindo que não é muito fácil mobilizar participantes para esta tradição sendo que o número de tabuleiros, nos últimos anos, anda à volta das duas dezenas. Os pares concentram-se na Capela de Santo Amaro, sendo que o cortejo realiza-se até à Igreja Matriz. A festa termina esta segunda feira com a entrega da coroa à mesa administrativa.

De acordo com informação do grupo TemplAnima, a procissão traduz a antiga oferta das primícias das colheitas, o linho e o pão, sob a forma de fogaça a depositar no altar, como ainda se faz no lugar do Freixo-Alviobeira (por exemplo) onde antes da missa há a recolha dos tabuleiros e oferendas.

As raparigas usam o traje branco virginal rendado, faixa de seda colorida, sapatos de carneira branca, sendo que os mancebos a seu lado vestem fato domingueiro.

Desfilaram cerca de 20 tabuleiros adornados com pão e flores naturais Foto: mediotejo.net

À frente, alçada a cruz de prata, logo seguida de dois confrades – mordomos com lanternas e o Pendão; segue-se o juiz com a coroa de prata lavrada. Ao todo sete confrades do Divino Espírito Santo com suas opas (capas) vermelhas, precedendo-os os bombos e gaita de foles. Depois o povo. Segue a procissão até ao outeiro da Igreja de S.Miguel – o santo dos lugares altos – já fora da povoação. Ali há missa cantada e procede-se à bênção do pão.

Benzem-se os tabuleiros e revezam-se os irmãos. No regresso a procissão dá a volta às ruas da povoação e segue até casa do juiz, distribuindo-se ali o pão já benzido.

Tomar — Festa do Espírito Santo em Carregueiros / Rui Graça, membro da Confraria fala sobre tradição

Publicado por mediotejo.net em Domingo, 20 de Maio de 2018

 

PUB
Elsa Ribeiro Gonçalves
Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).