Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Outubro 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | SBRM Nabantina “dá música” à cidade no 143º aniversário

A Sociedade Banda Republicana Marcial Nabantina (SBRM Nabantina) celebra o seu 143º aniversário no próximo dia 12 de setembro e as comemorações começam mais cedo, este sábado, dia 9, com um Encontro de Bandas. A aniversariante recebe os convidados da Banda do Cercal (Soure) na sua sede às 14h30 e seguem até ao Jardim do Mouchão para os concertos marcados às 15h30.

- Publicidade -

O programa da iniciativa organizada pela associação que começou por fazer parte da vida cultural do concelho como “Real Banda Marcial Nabantina” termina com uma marcha de conjunto na Praça da República duas horas depois. Uma tarde em que, certamente, não serão esquecidos Sebastião Campeão e José Matias de Araújo, os “pais fundadores”.

A SBRM Nabantina acompanha a evolução dos tempos, desde 1874, focada na banda de música. A sua história está ligada à própria História e, como tradição, vai mantendo as arruadas do 1º de Dezembro, do Aniversário, de Boas Festas e do 1º de Maio. O 5 de Outubro de 1910 trouxe-lhe a designação atual e foi no número 54 da Rua Silva Magalhães (sede) que Fernando Lopes-Graça começou a partilhar o seu talento.

- Publicidade -

Por lá passaram também Alves Redol, Fernando Namora e Vasco Graça Fernandes durante os ciclos culturais dos anos 60 e 70. Na década seguinte surgiu o coro Canto Firme e, mais tarde, a banda juvenil que hoje marcam presença regular em eventos culturais. Estes são apenas alguns dos marcos históricos e valências que levaram a coletividade mais antiga da cidade templária a ser reconhecida como Instituição de Utilidade Pública em 1993.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome