Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Domingo, Setembro 19, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar: Povo de Paialvo ajuda a reescrever três séculos de história (c/vídeo)

A freguesia de Paialvo, em Tomar, nunca viu festa como esta! E foi o próprio presidente da Junta, Luís Antunes, que se disse bastante orgulhoso do “Termo de Payalvo”, um evento que uniu o povo no desafio que a presidente da Câmara, Anabela Freitas, lançou no início do seu mandato, ao referir que queria comemorar condignamente os forais de Paialvo e Asseiceira, e que culminou na recriação de três séculos (Séc.XII, XV e XVIII) de história desta freguesia, através de recriações históricas nos dias 21 e 22 de maio.

- Publicidade -

IMG_5895
Abertura do evento decorreu na tarde de sábado, 21 de maio. Foto: mediotejo.net

“A nossa festa é a nossa história. E nossa história é vasta, no século XII até à atualidade porque ainda hoje se está a fazer história”, disse, recordando que este evento vai estimular que mais documentos se descubram sobre a história desta freguesia, “cheia de gente trabalhadora e honesta”.

- Publicidade -

O autarca referiu na sessão de abertura, na tarde de sábado, que o evento – inédito por estas paragens – “é um fiel testemunho” da história de Paialvo e que está bem visível em todas as ruas. “Não temos foral – possivelmente tivemos um – e sabemos que muito do nosso património escrito se perdeu num grande incêndio num barracão junto à Câmara de Torres Novas de então – mas encontramos muitos documentos na Torre do Tombo e outros de donatários que aqui passaram e que muitos nos orgulham”, disse. O autarca gostava ainda ver a informação recolhida materializada num livro escrito para crianças, para que a memória desta história perdure nas gerações vindouras.

IMG_5959
Um dos muitos quadros de recriação histórica. Foto: mediotejo.net

“Não lhe quisemos chamar Festa Medieval mas sim ‘Termo de Payalvo – Recriações Históricas’. Tenho aqui a dizer com todo o orgulho que esta festa não é da junta nem das coletividades mas de todos os paialvenses. Encontrámos os habitantes de Paialvo de braços abertos e, de há dois meses para cá, os nossos serões foram passados a preparar esta festa”, disse, antes da ronda pela aldeia que estava dividida por séculos.

Teatro de rua, jogos populares, espectáculo de fogo, exibição de artes medievais, venda de bolos caseiros e artesanato, as estalagens da época e as Confrarias foram alguns dos ingredientes deste evento inédito numa freguesia que, em tempos, integrou o concelho de Torres Novas e luta, assumidamente, contra o fenómeno da desertificação.

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome