Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Setembro 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar: Percussionistas de todo o mundo invadem a cidade até domingo

O Tomarimbando – 10.º Festival Internacional de Percussão de Tomar arrancou ontem, dia 4, e até ao próximo domingo a cidade de Tomar será invadida por músicos profissionais e aprendizes de todo o mundo. A iniciativa decorre no Cine-Teatro Paraíso, no Instituto Politécnico de Lisboa e na Sociedade Filarmónica Gualdim Pais e, além dos espetáculos, inclui concursos e workshops.

- Publicidade -

O Cine-Teatro Paraíso recebeu Luís Arrigo esta segunda-feira, dia 4, no primeiro de vários concertos diários com percussionistas profissionais vindos de todo o mundo que ali terão lugar até ao final da semana. O espetáculo integra o cartaz da décima edição do Tomarimbando – Festival Internacional de Percussão de Tomar e seguem-se Jean François Lèzè, Javier Nandayapa, Kuniko Kato, Miquel Bernat e Chin Cheng Lin, sempre às 21h30.

Aos profissionais juntam-se os aprendizes com concertos no Instituto Politécnico de Lisboa, entre 6 e 10 de julho, a partir das 17h00. Na quarta-feira atuam os alunos dos Conservatórios de Música da Jobra e Artes do Dão, cedendo o palco nos dias seguintes aos Conservatórios de Música do Porto, Vila Real, Coimbra e Aveiro. Pelo palco passam também a Academia de Vilar De Paraíso, a Escola de Música de Cantanhede, a Academia de Paços de Brandão e o Centro de Formação Artística da Sociedade Filarmónica Gualdim Pais.

- Publicidade -

O festival não se esgota em espetáculos e inclui outras atividades na Sociedade Filarmónica Gualdim Pais. Durante as manhãs realizam-se concursos de Marimba, Caixa e Vibrafone e a partir das 14h00 é possível participar em diversos workshops com cinco músicos que atuam no Cine-Teatro Paraíso (Jean François Lèzè, Luís Arrigo, Kuniko Kato, Miquel Bernat e Javier Nandayapa).

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome