Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Palácio Alvim poderá vir a albergar residências para estudantes

A Câmara Municipal de Tomar tem estado em conversações com o Instituto Politécnico de Tomar (IPT) para, em colaboração, dar novo aproveitamento ao Palácio Alvim (antiga Polícia). Entre as várias utilizações possíveis, em cima da mesa está a possibilidade de a parte superior servir a instalação de residências para estudantes, valência que está em falta no concelho, tendo em conta a dinâmica de ensino superior do IPT no território.

- Publicidade -

Tal foi admitido pelo executivo municipal, durante a passada reunião de Câmara, no dia 7 de junho. Anabela Freitas (PS), presidente da CM Tomar, respondia ao vereador Francisco Madureira (PSD) sobre qual o ponto de situação deste edifício do centro histórico, bem como do Convento de São Francisco, e se existiriam intervenções programas para a sua reabilitação.

Anabela Freitas disse que a ideia de eventualmente o Palácio Alvim servir para instalar residências de estudantes, será também “forma de povoar o centro histórico trazendo estudantes” para a aquela zona da cidade.

- Publicidade -

Na reunião, o vereador Hugo Cristóvão acrescentou que o IPT esteve no local a fazer levantamento do interior do edifício para começar a trabalhar num projeto para aproveitamento do mesmo enquanto residência de estudantes, lembrando que em Tomar “há esse problema de encontrar alojamento para estudantes”, sendo por isso esta possibilidade “a mais forte em cima da mesa”.

“Seria uma ocupação das águas furtadas e segundo andar, porque há número mínimo de camas para que que este tipo de residência seja viável. Depois poderia ser possível juntar outras aproveitamentos de espaços de co-working ou ninho de empresas, mas são apenas possibilidades”, adverte Hugo Cristóvão.

Quanto ao Convento de São Francisco, junto à Várzea Grande, a autarca Anabela Freitas recordou que no convento uma parte pertence à Câmara e é onde está a sede da CIMT. A outra parte pertence à Ordem dos Franciscanos. “Este ano avançamos com a obra da Igreja de São João Baptista e não temos capacidade financeira para ir intervir no resto”, admite.

Acontece que, na parte que é da Câmara, “está a decorrer um projeto de execução para fazer alterações no espaço, aumentando o Museu dos Fósforos. Estão a ser substituídas janelas do espaço, para acomodar melhor com temperatura controlada”.

Já Hugo Cristóvão, referindo-se também ao Convento de São Francisco, disse “que há vontade e alguma capacidade financeira para se tentar ajudar a Ordem Franciscana para uma intervenção faseada, com primeira intervenção na fachada e depois pensar de forma mais ampla o que pode ser feito no interior e como encontrar financiamento”.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome