Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Junho 16, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | “Os balões que me ensinaram a voar”, um livro para ajudar crianças a lidar com a perda e a morte

Como lidar com a perda de alguém que nos é muito próximo? Como explicar a morte e a ausência às crianças? É este o tema pouco usual que trata este livro, baseado numa história real. Uma obra em memória de ‘Lena’, companheira do escritor Nuno Garcia Lopes, que faleceu vítima de doença rara auto-imune há cerca de dois anos. No Dia da Criança, 1 de junho, Helena Marques faria 50 anos e a forma de homenagear a animadora que ajudou a implementar o ATL de Linhaceira, Tomar, é contar a sua história, narrada na sua voz, para lembrar os mais novos que há esperança e futuro mesmo depois do duro golpe da perda e do luto de um ente querido. Nuno Garcia Lopes quer devolver essa esperança, aquela que cem balões brancos lançados com mensagens pelos meninos, aquando a partida de Helena, o levaram a achar no céu azul a nuvem que o ajudaria a encontrar um novo rumo. O livro será lançado no Pavilhão Multiusos da Associação Cultural e Recreativa de Linhaceira, dia 1 de junho, às 21h00.

- Publicidade -

O livro conta “a história de Helena Marques, a Lena, como a conheciam as muitas dezenas de crianças que ao longo de uma década ajudou a crescerem harmoniosamente no ATL da Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira, em Tomar. Animadora daquele espaço, de que foi uma das principais responsáveis pela instalação, foi vítima de síndrome de Evans, uma doença rara auto-imune, só diagnosticada muito tardiamente”, refere-se em nota do autor.

“Um livro cheio de esperança para ensinar as crianças a lidarem com a perda”, é assim que o escritor começa por descrever este trabalho, que é um hino à vida depois de lidar com a morte, dedicado às crianças e à forma como se pode tratar com os mais novos um tema tão pesado e triste que lhes acaba por ser imposto quando se verifica a ausência e a perda de alguém próximo ou de um familiar, tantas vezes sem que consigam perceber o sentido das coisas e os porquês, e sem que os adultos consigam dar-lhes respostas.

- Publicidade -

“Os balões que me ensinaram a voar”, chega como homenagem à protagonista e narradora do livro, Helena Marques, mas revela-se “parte de uma história verdadeira para falar às crianças sobre a morte e a ausência, e de que modo podemos lidar com elas”.

Foto: Freepik

Uma história que serve de guia, num livro infantil que quer ajudar os mais novos a encontrarem caminhos e meios de esperança, para comunicar com as pessoas que partiram, para as lembrar, e para refletir, falar e lidar melhor com a ausência de alguém com quem tinham hábito de conviver, de partilhar momentos da sua vida.

Esta obra pedagógica e sentimental, nasceu da inspiração num dos momentos de homenagem dos alunos do ATL de Linhaceira, onde Helena trabalhava, e que preencheram o céu com cem balões brancos largados no recreio, que continham mensagens para a animadora.

Foram largados dias depois da sua partida e o momento marcou de tal forma o escritor Nuno Garcia Lopes, que certo dia, umas semanas após o feito, olhando o mesmo céu, encontrou resposta e rumo numa nuvem branca destacada no imenso azul: para além de ter encontrado “o caminho do diálogo quotidiano com a sua companheira”, estava na altura de escrever em memória de Lena num livro dedicado às “suas” crianças.

Escrito por Nuno Garcia Lopes, com ilustrações de Sara Brito e design de Sylvie Lopes, o livro conta com capa serigrafada e lombada de costura à vista. Uma homenagem a Helena Marques e dedicada às crianças, no Dia da Criança, em que completaria 50 anos.

A obra conta com apoio da Associação de Ideias para a Cultura e Cidadania, responsável por projetos como A Poesia Não Tem Grades, Palavras Vizinhas ou o podcast Dias Úteis, e que tem como objectivo a promoção de materiais e eventos que promovam o desenvolvimento pessoal e social dos cidadãos, bem como a Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira, envolvida no enredo, e onde Helena Marques trabalhou até ao dia do seu internamento.

Com lotação limitada pela pandemia de covid-19, e tendo em conta a forte adesão de todos quantos querem homenagear e honrar a memória da protagonista, o lançamento do livro irá decorrer no dia 1 de junho, pelas 21h00, no Pavilhão Multiusos da Associação Cultural e Recreativa de Linhaceira, junto ao novo Centro Escolar D. Pedro IV.

Além disso, ao longo do Dia da Criança, existirão sessões de conto desta história para os alunos do pré-escolar e 1º ciclo, durante a manhã.

Segundo o autor, sensível às restrições e regras emanadas pela autoridade de saúde face à pandemia, a obra terá depois várias apresentações noutros locais do concelho de Tomar, durante a primeira semana de junho, para chegar ao máximo de pessoas.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome