Tomar | Médio Tejo na vanguarda do uso do hidrogénio como fonte de abastecimento energético (c/vídeo)

Usar o hidrogénio (H2) como fonte de abastecimento em edifícios públicos, no turismo, e apoiar os atores locais que pretendam produzir este recurso são alguns dos projetos a implementar futuramente pela Médio Tejo 21, entidade que dá apoio na região no desenvolvimento de projetos futuros no quadro da inovação e hidrogénio na região do Médio Tejo.

PUB

A entidade está a trabalhar com a CIMT – Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo na atualização de metas até 2030, no que concerne a delinear uma estratégia e a planos a longo prazo relacionados com energia mais limpa e sustentável.

Estes e outros objetivos foram revelados durante “I Hydrogen Innovation Festival, que decorreu na terça-feira, 29 de maio, no auditório da biblioteca municipal António Cartaxo da Fonseca, em Tomar, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Energia.

PUB

Jacinto Lopes, presidente da Medio Tejo 21, revelou o trabalho que tem vindo a ser feito por esta Entidade no âmbito da Energia.

“Apoiamos a captação de projetos apoiados para a região, a instalação de unidades solares fotovoltaicas em edifícios públicos, janelas eficientes e isolamento térmico no setor doméstico. Destaco ainda para o programa Casa Eficiente, em que a Medio Tejo 21, apoia o setor doméstico na administração de candidaturas em estreita cooperação com as empresas associadas”, exemplificou.

PUB

Jacinto Lopes, autarca de Ferreira do Zêzere, preside a Medio Tejo 21 Foto: mediotejo.net

Jacinto Lopes, que também é presidente da Câmara de Ferreira do Zêzere, disse que, sob a temática da Sustentabilidade Regional, a Médio Tejo 21 apoia a região do Médio Tejo no quadro do hidrogénio e na definição do quadro regional para 2050.

“Ajudar a tornar esta região uma região mais bem preparada para os desafios que o futuro nos traz, tentar mitigar os efeitos das nossas asneiras passadas e preparar-nos para um futuro que seja mais propício à manutenção da vida na Terra. Todos os dias a Natureza nos devolve, com juros, o que temos vindo a fazer no último século e meio pelo que temos que nos preparar para que o futuro não seja tão impactante para a espécie humana”, disse.

O responsável disse que é “um motivo de orgulho e afirmação para a região do Médio Tejo ser uma zona piloto pioneira no hidrogénio”, no sentido de ser um exemplo a seguir para todos os que trabalham para transformar o H2 na energia do futuro. “Enquanto apaixonado pelas energias alternativas congratulo-me que o Médio Tejo esteja na vanguarda”, disse.

A MédioTejo21 é uma entidade que dá apoio na região no desenvolvimento de projetos futuros no quadro da inovação e hidrogénio Foto: mediotejo.net

Mónica Martins, engenheira da Médio Tejo 21, fez uma breve apresentação sobre como é que a região do Médio Tejo se está a preparar para apoiar a região nestas temáticas do Hidrogénio. “O objetivo passa por contribuir para a redução dos gases dos efeitos de estufa (reduzindo em mais de 23% as emissões de CO2), sendo que a Médio Tejo 21 é a entidade que está a apoiar a região do Médio Tejo no desenvolvimento desta estratégia”, disse, acrescentando que mais de 20 países aderiram a estas temáticas de sustentabilidade ambiental.

A Região do Médio Tejo é a primeira a nível nacional a aderir a este projeto – à semelhança do município de Torres Vedras – estando a promover/motivar um conjunto de ações futuras no sentido de se posicionar com região de vanguarda no uso do hidrogénio.

“Um dos projetos passa pela utilização do hidrogénio em edifícios públicos, num projeto-piloto a desenvolver num dos municípios da região Médio Tejo, e outro será a utilização do hidrogénio como caso piloto do Turismo, bem como a utilização do Hidrogénio produzido de forma sustentável, apoiando-se os atores locais na utilização deste recurso”, enunciou.

Sessão decorreu no auditório da Biblioteca Municipal de Tomar Foto: mediotejo.net

Os objetivos a longo prazo (2030-2050), disse, passam por reduzir mais de 80% dos gases efeitos de estufa na região do Médio Tejo, transformar 2/3 da energia em energia renovável – contribuindo para um balanço energético mais sustentável – e fazer com que o sistema energético seja seguro, competitivo e sustentável na Região do Médio Tejo.

O “I Hydrogen Innovation Festival surge no contexto da crescente preocupação da região com a procura de fontes de abastecimento energético que sejam positivas para a sustentabilidade, o ambiente, o emprego, o desenvolvimento regional e climaticamente neutro.

Foi em novembro último que a região do Médio Tejo assinou um memorando de entendimento com a FCH– JU-Fuel Cells and Hydrogen Joint Undertaking, entidade que apoia actividades de investigação, desenvolvimento tecnológico e demonstração nas tecnologias de pilhas de combustível e hidrogénio, na Europa.

A região do Médio Tejo integra esta parceria como primeira região Portuguesa parceira da FCH-JU. O objetivo da FCH-JU passa por acelerar a introdução destas tecnologias no mercado, analisando o seu contributo para um sistema energético com baixas emissões de carbono.

Tomar – I Festival Hidrogenio/ Jacinto Lopes Médio Tejo 21

Publicado por mediotejo.net em Terça-feira, 29 de Maio de 2018

PUB
Elsa Ribeiro Gonçalves
Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).