PUB

Tomar | Judoca Patrícia Sampaio homenageada com medalha de valor desportivo no Dia da Cidade

O principal assunto debatido na última sessão de Assembleia Municipal de Tomar foi o 6º Festival das Estátuas Vivas. Esta sexta-feira, 21 de setembro, no salão nobre dos Paços do Concelho, os deputados municipais passaram cerca de duas horas a discutir uma moção apresentada pelo Partido Socialista. Pelo meio discutiu-se também outra moção apresentada igualmente pelo PS, em homenagem à judoca Patrícia Sampaio, e ainda uma proposta que o Bloco de Esquerda levou para o Executivo camarário relativamente ao sistema de estacionamento pago na zona urbana de Tomar.

PUB

A realização do 6º Festival Estátuas Vivas de Tomar, nos dias 8 e 9 de setembro, constituiu para o Partido Socialista (PS) – e também para a bancada do Partido Social Democrata (PSD), uma vez que apesar das criticas nomeadamente quanto ao pagamento de bilhetes no Festival, acabou por votar favoravelmente a moção do PS, embora com declaração de voto – “um assinalável êxito” que atraiu à cidade de Tomar “milhares de pessoas e mobilizou tomarenses.

Na verdade, segundo os números apresentados pela bancada do PSD, pela voz do deputado municipal Ricardo Lopes, o Festival das Estátuas Vivas passou de 30 mil visitantes nas edições anteriores para 13 mil em 2018. Para o deputado social democrata este decréscimo do número de visitantes tem uma explicação: o pagamento de uma entrada (três euros) para ver o Festival, considerando que a Câmara Municipal deverá encontrar “uma forma sustentável de manter o festival” mantendo o evento gratuito.

PUB

O cenário do 6º Festival das Estátuas Vivas foi, em 2018, o Parque do Mouchão e o Jardim da Várzea Pequena “a bordejar o rio Nabão”. O PS considera na moção apresentada que “eventos desta natureza devidamente estruturados e com adequada dimensão, contribuem decisivamente para o desenvolvimento socioeconómico do concelho, conduzindo-o a elevados patamares de notoriedade”.

Sessão de Assembleia Municipal em Tomar

Assim, propôs à Assembleia Municipal de Tomar: “reconhecer e enaltecer publicamente o importante trabalho do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria e dos Serviços Camarários na conseguida realização do 6º Festival de Estátuas Vivas de Tomar; sublinhar quão importante é preparar a realização da 7ª edição deste Festival no próximo ano, cabendo à autarquia proceder às diligências e congregar os apoios conducentes à sua concretização; e aprovar a presente moção em minuta e transmiti-la à Câmara Municipal, Assembleias e Juntas de Freguesia do concelho, Agrupamento Nuno de Santa Maria e publicitá-la na comunicação social”.

A moção, aprovada por maioria, contou com a abstenção dos eleitos pela Coligação Democrática Unitária (CDU) e pelo Bloco de Esquerda (BE).

O PS apresentou uma segunda moção, desta feita aprovada por unanimidade, de regozijo e de homenagem à judoca Patrícia Sampaio.

A atleta tomarense Patrícia Sampaio, da escola ‘Gualdim Pais’, conquistou uma medalha de ouro no Europeu de Juniores em Judo (categoria de -78 kg) que se realizou na ‘Asics Arena’ de Sófia, na Bulgária, ao vencer na final a alemã Christina Faber por ‘waza ari’, no único dos quatro combates em que não fechou por ‘ippon’.

Patrícia Sampaio, de 19 anos de idade, já tinha conquistado a medalha de bronze no Mundial Júnior de 2017, realizado em Zagreb e, a partir daí, refere o PS na moção, “era expectável o cometimento de novos feitos, como agora veio a acontecer”.

Assim, propõe: “regozijar-se com a obtenção pela judoca tomarense Patrícia Sampaio da medalha de ouro no Europeu de Juniores e expressar-lhe as mais vivas felicitações pelo seu feito, incentivando-a a continuar a dedicar-se à prática do judo na busca de ainda melhores resultados. Que seja prestada a devida homenagem à judoca no próximo Dia da Cidade, com a atribuição da medalha municipal de valor desportivo (grau ouro)”.

Sessão de Assembleia Municipal em Tomar

O BE apresentou também uma proposta ao executivo camarário relativamente ao sistema de estacionamento pago na zona urbana em Tomar. A deputada Maria da Luz lembrou que o BE não apoiou a instalação dos parquímetros, dizendo que a situação vai agravar-se com as obras da Várzea Grande.

Assim, recomendou ao executivo duas ações que considera o BE trazer a curto prazo melhorias na situação: “promoção do parque 2 – na zona desportiva, duplicando-se o tempo de gratuitidade para uma hora e, se possível, baixando as taxas e avenças, em especial as destinadas aos residentes e comerciantes, procurando-se com essa medida contrariar o hábito de estacionamento no Parque 1 – junto à Câmara, que está a dar sinais de rotura. Do parque 2 passando pelo Mouchão até à Praça da República, a pé, não demora mais de 10 minutos sendo por isso possível cultivar o hábito de lá se estacionar, mesmo quando o destino é o lado de cá do rio, se houverem de facto vantagens financeiras evidentes nessa opção”.

E ainda o reforço “da sinalização, no centro histórico, da zona reservada a residentes, não só com sinalização vertical visualmente mais evidente e entendível pelos estrangeiros (também em inglês), como também com a utilização de sinalização complementar horizontal, no pavimento e lancis, em português e inglês”.

A Assembleia Municipal de Tomar ainda aprovou, por unanimidade, o Regulamento Municipal de Proteção Civil e o regulamento relativo à empresa Resitejo – Associação de Gestão e Tratamento dos Lixos do Médio Tejo, votando-se a minuta do pacto social da empresa legatária a constituir, no âmbito da fiscalização do Tribunal de Contas.

Recorde-se que a Resitejo deu lugar à empresa intermunicipal RSTJ – Gestão e Tratamento de Resíduos, EM, SA.. Este processo resulta da obrigatoriedade legal imposta pela nova lei das finanças locais, a que se juntou a pressão do Tribunal de Contas e os pareceres da ERSAR e da DGAL.

A nova empresa intermunicipal, que segue um modelo de constituição idêntico ao da empresa Águas do Ribatejo, dá continuidade ao trabalho da Resitejo na recolha e tratamento de resíduos urbanos da região.

São dez os municípios envolvidos: Alcanena, Chamusca, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Golegã, Santarém, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

No atual modelo de gestão, os municípios pagam uma quota fixa à Resitejo e um valor proporcional aos resíduos depositados.

Na nova entidade, cada município tem um décimo (10%) do capital social que é de 50 mil euros, ou seja cada município entra com um capital de 5 mil euros.

Segundo dados que constam no estudo de viabilidade económica, a nova empresa intermunicipal irá receber e tratar cerca de 85 mil toneladas por ano de resíduos urbanos, produzidos pelos cerca de 210 mil habitantes da área abrangida, para além de resíduos de outras entidades.

PUB
PUB
Paula Mourato
A sua formação é jurídica mas, por sorte, o jornalismo caiu-lhe no colo há mais de 20 anos e nunca mais o largou. É normal ser do contra, talvez também por isso tenha um caminho feito ao contrário: iniciação no nacional, quem sabe terminar no regional. Começou na rádio TSF, depois passou para o Diário de Notícias, uma década mais tarde apostou na economia de Macau como ponte de Portugal para a China. Após uma vida inteira na capital, regressou em 2015 a Abrantes. Gosta de viver no campo, quer para a filha a qualidade de vida da ruralidade e se for possível dedicar-se a contar histórias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).