Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quinta-feira, Outubro 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Jovens sofrem ferimentos graves após tentativa de assalto na Zona Industrial

Dois jovens, com cerca de 20 anos, ficaram feridos com gravidade ao início da noite deste domingo, 12 de agosto, após terem caído do telhado de um armazém de pneus na Zona Industrial de Tomar. De acordo com o apurado, os mesmos teriam a intenção de assaltar o espaço quando, ao pisarem as chapas de acrílico transparente, estas cederam ao seu peso, tendo caído de uma altura aproximada de 10 metros.

- Publicidade -

Queda de uma altura aproximada de 10 metros deixou os dois jovens assaltantes gravemente feridos. Fotos: DR

Os meliantes foram encontrados feridos no chão pelo próprio encarregado do armazém que se deslocou ao local após ter recebido o alerta de que o alarme estava a tocar. Notou que havia buracos no telhado e depois viu os feridos.

- Publicidade -

Segundo o apurado pelo nosso jornal, um dos jovens corre mesmo perigo de vida uma vez que terá perdido massa encefálica tendo sido transportado de ambulância, acompanhado pela VMER do Médio Tejo, para os Hospitais da Universidade de Coimbra.

O segundo caiu parcialmente em cima de um monte de pneus, ficando politraumatizado e foi transportado pela SIV Tomar do INEM para o hospital de Abrantes. A GNR  registou a ocorrência.

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. É triste e deprimente assistir a um mau jornalismo, notícias falaciosas e de carácter divinitório!

    Relembro que, o mínimo do jornalismo será a divulgação da coleta, investigação e análise de informação.

    É triste viver num País onde um adolescente de 16 anos, a praticar Parkour, desporto desprovido de fins maliciosos, possa ser chacinado em praça pública porque o mau jornalismo assim o determina…

    É mais triste ainda perceber que, no mesmo a país, existem pessoas que possam, volatilmente, acreditar que um jovem de 16 anos, que inocentemente praticava desporto e, neste momento com a vida a prazo era ladrão só porque um mau e execrável jornalista assim o devietermina.

    Na notícia os jovens foram rotulados como meliantes. Tanto quanto sou conhecedor, meliante significa ladrão, delinquente, marginal.

    Questiono-me qual o conhecimento de causa da jornalista no seu juízo… E gostaria de a questionar se não deveria reservar tais adjetivos para os seus familiares que, suponho, são os que conhece.

    Questiono a posição do jornal perante a a falácia da má jornalista – Elsa Ribeiro Gonçalves. Serão defensora da sua atitude? Apenas se irão opor a este a fraco jornalismo quando assistirem aos seus entes queridos serem julgados friamente?

    Fico apenas triste…

    • Caro Tiago, a jornalista Elsa Ribeiro Gonçalves recolheu toda a informação disponível naquele momento, junto das autoridades policiais e responsáveis do armazém, que se queixaram de uma tentativa de assalto. Não era possível recolher a versão dos jovens uma vez que estavam a ser transportados para o hospital. Os nomes dos jovens não foram divulgados, exactamente porque todos têm direito ao seu bom nome e à presunção de inocência. Se de alguma forma o nosso jornal contribuiu para formar uma ideia negativa e errónea do que se passou naquela noite estamos obviamente disponíveis para o clarificar num novo artigo. Pode enviar-nos os seus contactos para o email info@mediotejo.net de forma a ajudar-nos? Obrigada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome