Tomar | IPT quer adequar oferta formativa ao tecido económico da região (c/fotos)

O presidente do Instituto Politécnico de Tomar, Eugénio Pina de Almeida, aproveitou a sessão de abertura Solene de Ano Lectivo 2018/2019 para se despedir do cargo, sublinhando aquele que considera um importante desafio: a necessidade da instituição adequar, cada vez mais, a sua oferta formativa ao mercado de trabalho, nomeadamente, ao da nossa região. A sessão contou com a presença do secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira.
“Esta é seguramente a última intervenção na qualidade de presidente do IPT. Não me cabe a mim fazer um balanço da minha situação. Assumi estas funções tendo por base um conjunto de princípios e convicções e é por isso que penso devo fazer, em vez de um balanço, uma breve reflexão para o futuro sobre os desafios que recaem sobre a nossa comunidade académica e instituição”, começou por referir.

Eugénio Pina de Almeida fez nesta ocasião a sua última intervenção enquanto presidente do IPT Foto: mediotejo.net

Eugénio de Almeida referiu este é um país completamente assimétrico, um no litoral e outro no interior, salientando que cada vez mais as instituições de ensino devem adequar a sua oferta formativa às necessidades do mercado de trabalho. Sobre esta matéria, o presidente do IPT reconheceu que pode existir um problema entre os perfis que se estão a criar e as necessidades reais do mercado de trabalho.
“Há um dilema entre a oferta formativa/mercado de trabalho. Entre os perfis que estamos a criar e os que são necessários . Esta é uma questão que deve merecer a nossa atenção e acompanhamento, no presente e no futuro”, disse.
O responsável acrescentou ainda que, para que esta reflexão possa ter consequências, mais do que auscultar as necessidades do mercado de trabalho nacional devem ser equacionadas as necessidades existentes do território local e regional, sendo que o IPT deve adequar a sua oferta tendo em conta o mercado que está implementando nesta região.
“Contribuir para a melhoria dos indicadores de bem-estar não pode ser feita apenas por uma instituição isolada. Os municípios, as instituições de ensino superior, a escolas e empresas devem sentir que fazem parte de um território e devem saber que só conseguem cumprir a sua missão partilhando recursos.
“Quero lançar um desafio para o futuro: o que pode o IPT fazer para contribuir para o reforço do tecido económico da região?”, questionou, salientando ainda que se deve tentar perceber quem são os alunos que procuram a instituição e o que pretendem em termos de método de ensino.
PUB

Secretário de Estado da Ciência e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, marcou presença nesta sessão solene Foto: mediotejo.net

A sessão ficou ainda marcada pela alocução “Entre a razão e a experiência: ciência, tecnologia e profissões” pelo Professor Eduardo Beira, membro do Programa MIT Portugal que acredita que os Politécnicos estão melhor posicionados para formar profissionais que podem ser mais valias para o tecido económico das regiões, uma vez que estas instituições não se limitam a despejar conteúdos.
O Secretário de Estado da Ciência e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, recordou a difícil altura em que era presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e que, se deslocou a Tomar, fazendo uma oração de sapiência em defesa do ensino superior nas regiões do interior.
“Este Politécnico tem a capacidade de contribuir para a qualificação que o país tanto necessita”, referiu, sublinhando a necessidade de se captarem alunos do ensino profissional para o ensino superior. Disse ainda que uma das medidas que pretende fazer antes de terminar o mandato é “mudar o acesso do ensino profissional ao ensino superior”.
No final da cerimónia, realizou-se ainda a habitual homenagem aos colaboradores com 25 anos de serviço do IPT.

PUB
PUB
Elsa Ribeiro Gonçalves
Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).