Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar implementa novo plano turístico para se posicionar como destino de excelência (c/áudio)

Tomar é um dos quatro concelhos na região centro que têm nos seus territórios Património da Humanidade, e como tal, através da Entidade Regional Turismo do Centro, surgiu a oportunidade de uma candidatura financiada para o consórcio formado com objetivo da criação de um “produto turístico integrado e em rede com os Patrimónios Mundiais do Centro”, onde se incluem o Convento de Cristo, o Mosteiro de Alcobaça, o Mosteiro da Batalha e a Universidade de Coimbra – Alta e Sofia. Nesta senda surge a iniciativa de contratar uma empresa que elaborasse um Plano de Hospitalidade Turística, com intuito de alavancar a dinâmica turística no território, fortalecendo sinergias entre o município, a iniciativa privada e capacitando operadores, para que Tomar se afirme e posicione como destino de excelência.

- Publicidade -

“Podemos ter o melhor património do mundo, mas o certo é que quem opera – sejam, restaurantes, hotelaria, etc – têm que estar capacitados para poder ‘vender’ aquilo que é o nosso património”, começou por referir a autarca tomarense, numa sessão que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

ÁUDIO | Anabela Freitas, presidente da CM Tomar

- Publicidade -

Segundo Anabela Freitas, presidente da CM Tomar, “foi feito trabalho de levantamento e trabalho de interação entre a empresa e os operadores do território, para perceber o que é necessário corrigir de todas as partes para melhorar e posicionar Tomar enquanto cidade templária e como destino de excelência”.

A autarca, também presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, referiu que na região do Médio Tejo existem “duas portas de entrada em matéria de turismo”, sendo Fátima e depois Tomar.

“Pretendemos ancorar-nos em Fátima para drenar para o nosso território, bem como ancorar-nos fora, com posicionamento não só a nível nacional, mas sobretudo internacional”, afirmou, dando conta da intenção deste reforço no âmbito da capacitação para promoção, oferta e dinamização de atividades e planeamento a nível turístico.

O Plano de hospitalidade turística surge essencialmente com três objetivos, e foi desenvolvido durante vários meses, tendo sido contratado no final de 2019.

O objetivo é capacitar os operadores turísticos, situação que já iniciou mas que a autarquia pondera dar continuidade, desenvolver nova sinalética e sistema de informação, algo que é importante para os operadores, como para o património em geral.

Também pretende auxiliar na definição de mecanismos de marketing de posicionamento de destino turístico e cultural.

Como tal, a empresa En Zýmé, de Braga, desenvolveu o projeto e estudo, tendo sido contratada através de concurso público, no valor total de 49.999,50 euros.

No decorrer do estudo e recolha de informações, estiveram no terreno “clientes mistério” com o objetivo de “avaliar o tipo de abordagens turísticas quer no posto de turismo e nos monumentos, quer nas unidades hoteleiras e de restauração”.

Este projeto começou com um diagnóstico, ao que se seguiu a fase de “conceção e desenvolvimento de um programa de comunicação com vista à criação de uma estratégia de comunicação integrada e multiplataforma; de um programa de sinalética turística; e de um programa de suportes de apoio a visitação e eventos”.

Da parte da empresa que executou o plano de hospitalidade, Samuel Osório e Isabel Borges estiveram presentes na sessão, tendo enquanto oradores explicando o trabalho desenvolvido no âmbito do plano que assentou em dois eixos, um virado para a capacitação dos privados e seu posicionamento no mercado e que requisitos devem ter para receção do turista, e a nível de marketing turístico e como se devem divulgar.

Nesta senda, foi feita leitura da realidade do funcionamento turístico do município, e do posto de turismo, no que toca à estruturação e modelo de comunicação, e o apoio que pode dar aos privados nesta matéria.

Os vários operadores foram contactados para fornecerem e adequarem a sua comunicação às normas dos motores de busca (SEO), para fortalecer o ranking de acessos e baixar as taxas de rejeição dos conteúdos divulgados.

A empresa desenvolveu e lançou um site essencialmente turístico, que inclui um vídeo promocional e recolha fotográfica de todo o património, com trabalho de recolha no terreno.

Este site não substitui o site institucional do Município, passando a ser redirecionados os utilizadores que procurem informações turísticas para www.visit-tomar.com, disponível em português e inglês, mas preparado para ser traduzido noutras línguas no futuro.

Foto: visit-tomar.com

Esta nova plataforma funciona como uma “bíblia” do turista que queira vir até Tomar, uma vez que inclui toda a oferta turística, pública e privada, do concelho, desde onde dormir, onde comer, o que visitar, o que fazer e como fazer, sugere roteiros e circuitos de visitação, dá informação sobre locais e património histórico e cultural, entre outros.

“Quando as pessoas fizerem pesquisa, neste momento os patrimónios já estão posicionados e as entidades privadas foram capacitadas e têm vindo a fornecer informações cumprindo com os requisitos”, referiu a empresa, que deu conta de ainda se estar a atualizar informação no site uma vez que ainda estão a ser enviados dados por parte das empresas de turismo tomarenses.

Apesar de estar já disponível, é feita ressalva de que o trabalho lançado na web demorará cerca de 8 meses a ser consolidado, para que atinja a amplitude máxima da visibilidade.

O site também disponibiliza um ícone que abre uma janela de chat em tempo real, com comunicação direta entre o utilizador e o posto de turismo, podendo tirar dúvidas imediatas, planear visitas guiadas, circuitos/rotas, experiências, obter sugestões onde comer, onde dormir, etc.

O posto de turismo municipal vai estar a gerir essa comunicação, que chega em tempo real durante o horário de atendimento, mas também permite o envio de mensagens que são enviadas para o e-mail e respondidas em tempo útil, facilitando o contacto com o utilizador que poderá organizar a sua experiência, consultar informações e pedir aconselhamento por via digital.

Depois do plano de hospitalidade, foi ainda desenvolvido um estudo de sinalética, cujo  layout ainda está por definir e analisar pela autarquia. Foram definidos circuitos diversos, com tempos médios de visita calculados e estudos de caso, com indicação das zonas onde as pessoas têm maior nível de confundibilidade, isto é, onde tinham tendência a perder-se.

No site, todos os pontos têm tempo médio de visita calculado, e ainda contém a agenda com mercados/feiras e eventos culturais, e outros eventos do concelho.

Foto: mediotejo.net

A empresa refere que o site é intuitivo, e permite trabalhar todo o percurso/visita online, tendo por objetivo simplificar a logística e preparação da visita, garantindo o menor nível de confundibilidade.

A informação pode ser descarregada a partir do site ou consultada online, além de poderem ser consultados outros circuitos pré-definidos recomendados, já organizados, cujo ponto de partida por norma ou é no posto de turismo ou na Praça da República.

Em termos dos percursos e sinalética, a empresa propõe a colocação de pontos de identificação/totens que terão uma imagem gráfica associada a cada local, permitindo marcar posição/localização dos pontos de interesse e patrimoniais. Também serão distribuídos mupis com mapa que permite aceder à localização atual.

Quanto a esta estratégia e à capacitação determinante neste processo junto dos operadores, Isabel Borges, da En Zýmé, notou que “o perfil do turista mudou um pouco”, nomeadamente com o atual contexto de pandemia, e as pessoas “fogem dos grandes centros urbanos”.

“Tal significa que estes territórios de baixa densidade são territórios de forte atratividade”, reconhece, referindo que isso aumenta a exigência em termos da oferta turística, pois para que o turista tenha acesso a tudo o que o território tem para oferece “tem de estar estruturada, visível, por isso era essencial a criação de um site que concentrasse toda a oferta em termos turísticos”.

Também a capacitação dos agentes económicos do território, como a nível interno, é sublinhada como essencial para acompanhar este progresso, uma vez que “o acolhimento é determinante para aumentar o tempo de permanência no território, e é diretamente proporcional à empatia que o turista tem com o território”.

A qualidade do acolhimento é importante para a fase de partilha e classificação da viagem e da forma como foram recebidos, isto é, o pós-viagem. “Toda a experiência é um somatório desde o momento em que pensa na viagem até ao momento em que regressa ao local de origem e partilha o que vivenciou no território”, disse Isabel Borges.

Foto: mediotejo.net

Com recurso a técnicas de análise, observação participante, técnicas de cliente-mistério, a empresa pretendeu ajudar no que toca ao acolhimento turístico para que a hospitalidade seja plena quando o turista chegar a Tomar, e depois que permita aumentar o ranking da hotelaria e aumentar a permanência dos turistas no concelho.

Algo que a autarca tomarense Anabela Freitas corroborou, dizendo que o turista começa e termina a sua viagem em casa, e o primeiro contacto com o destino normalmente é feito através de motores de busca.

“É importante que tenhamos um bom site, que o primeiro contacto leve ao desejo de ter um segundo contacto com a hotelaria ou com a restauração, e aqui é importante que criem a vontade de vir ao território”, mencionou.

Por outro lado, depois de estar no território, defendeu a autarca que “é importante que haja perceção do território, que consiga alcançar tudo o que se propôs ver e fazer, e que fique com apetência de fazer mais. Pretendemos aumentar a permanência dos turistas no território”.

Quanto ao posicionamento tomarense, não há dúvidas de que o target é mais dos que as habituais excursões, “o turismo de família, individual e de quem permaneça no território o maior tempo possível, num trabalho conjunto, entre o setor público e o setor privado”.

Este site, uma espécie de posto de turismo digital, será complementar/específico em termos turísticos para onde se pretende transportar e adequar informação já existente para que haja um canal que garanta visibilidade.

Filipa Fernandes, vereadora com o pelouro do Turismo, referiu que se sentiu necessidade de criar um site direcionado para o turista, porque o site institucional do Município é muito abrangente e disponibiliza muita informação que não interessa a quem visita o concelho.

“Este site vai ser cruzado com o site da autarquia, havendo ligação para direcionar para o site turístico, tornando o mais acessível possível a informação a quem nos visita”, explicou.

Foto: mediotejo.net

Quanto à sinalética, frisou que foi pedido um estudo para que se possa colocar sinalética turística no território, que é inexistente e que se pretende “colmatar essa falha”.

No final da sessão, Anabela Freitas desvendou que está a ser ultimado o plano de desconfinamento turístico para o concelho, a ser trabalho junto dos empresários, com forte aposta na publicidade e marketing.

“No dia em que começarmos com o marketing para o desconfinamento para a indústria hoteleira e operadores de animação turística, este site será um suporte do plano e servirá essa estratégia”, adiantou.

Quanto ao plano, a presidente da Câmara referiu, sem adiantar ainda mais pormenores, que o objetivo é pôr em marcha um projeto para apoiar o setor do turismo, hotelaria e restauração, dando-lhe um boost sem muita burocracia no processo, quer para os privados, quer para a autarquia.

“Já definimos os apoios, como se vai operar. Já definimos praticamente tudo. Acho que vai correr muito bem. É diferenciador daquilo que temos ouvido que alguns municípios já fizeram e já apresentaram. O nosso é completamente diferente, porque também vai abranger mais privados dentro do universo que trabalha no turismo”

Por seu turno, a vereadora Filipa Fernandes sublinhou que a mais-valia deste projeto é que “o dinheiro fica no território, é repartido por todos os agentes turísticos, e não vai com o turista”, disse, aludindo aos apoios que poderão implicar vouchers de experiências atribuídos às pernoitas, promovendo dinâmicas locais em termos de atividades complementares à estadia.

O projeto de apoio à retoma do turismo em Tomar deverá ser lançado durante este mês de abril, com arranque previsto em maio.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome