PUB

Tomar | Humberto Morgado assume funções como Comandante dos Bombeiros Municipais e Coordenador Municipal de Proteção Civil

Humberto José Luís Morgado, 41 anos, natural de Abrantes, tomou posse como Comandante dos Bombeiros Municipais de Tomar e Coordenador Municipal de Proteção Civil. Numa cerimónia restrita e sem público devido ao contexto de pandemia, Humberto Morgado assumiu funções no dia 2 de janeiro, tendo sido apresentado formalmente aos elementos do executivo camarário na reunião pública no dia 4 de janeiro. O executivo deu as boas-vindas ao novo comandante e coordenador, tecendo elogios à experiência profissional e provas dadas da sua capacidade para liderar a corporação tomarense no caminho da profissionalização e formação crescentes para melhor servir a comunidade e prestar socorro.

PUB

Na reunião de Câmara, Humberto Morgado surgiu acompanhado do 2º Comandante dos Bombeiros Municipais de Tomar, Vítor Tarana, tendo recebido as boas-vindas do executivo municipal.

Humberto Morgado, apresentando pela presidente da Câmara de Tomar afirmou que é sua pretensão “levar a bom rumo” o corpo de bombeiros da autarquia.

PUB

Da bancada do Partido Social-Democrata, os vereadores não se pouparam a votos de sucesso e expectativas relativamente ao novo comando.

José Delgado, vereador do PSD, começou por referir que “é com prazer que estamos a receber e a conhecer o novo comandante e coordenador da Proteção Civil”, entendendo que “Tomar precisa e merece que esta função seja nobre e a missão que entendemos que tem de ser feita com grande elevação”.

“Para isso é preciso que haja uma aferição entre aquilo que são os meios disponíveis e aquilo que são as vontades, o conhecimento e o saber na área (…) Não temos dúvidas que o comandante de facto tem o saber necessário e suficiente para levar a bom porto esta missão, acreditamos que assim é, senão certamente não estaria sentado nesse lugar”, notou.

A cerimónia de tomada de posse do novo comandante e apresentação ao corpo de Bombeiros de Tomar decorreu na manhã de dia 2 de janeiro, numa iniciativa restrita devido ao contexto de pandemia de covid-19. Foto: Rádio Hertz

“Desejo que tudo corra bem e que Tomar seja uma referência a este nível. Tomar é um concelho que tem de ser de referência, e começa pela Proteção civil e pelo serviço que se presta às comunidades e às pessoas”, prosseguiu, esperando ainda que se alcance “dimensão para influenciar também a área e a região” onde o concelho de insere.

Para tal, José Delgado lembrou ao executivo de maioria socialista que “é preciso que a Câmara responda com meios suficientes e com a logística necessária para que esta missão seja cumprida (…) é preciso unir esforços, contem connosco para participar e colaborar, e sermos elementos de alavancagem do que nos é possível”.

O vereador dirigiu-se ao novo comandante sublinhando que tem pela frente “um desafio muito grande, Tomar tem características muito especiais, vai-se habituar ao longo do tempo. Prepare-se para as características especiais de Tomar”, frisando que “preparação e planeamento atempado é o mais importante”.

Também Francisco Madureira (PSD) relevou, em considerações dirigidas a Humberto Morgado, que “o seu sucesso é o nosso sucesso, a sua nomeação é algo que nos une e não que nos desune, estamos todos convictos e preparados para que todo o seu sucesso seja em prol da nossa população”.

Luís Ramos (PSD) subscreveu tudo o que os camaradas de partido haviam dito. “Agradecemos por ter aceite este desafio e fazemos votos que atinja todos os objetivos a que se propõe, desejando-lhe um ótimo trabalho”, disse o vereador.

O novo comandante dos Bombeiros foi apresentado institucionalmente na reunião de Câmara Municipal ao executivo tomarense. Foto: mediotejo.net

Por sua vez, Humberto Morgado assumiu na sessão que há “um longo caminho a percorrer” na corporação de Bombeiros tomarense, com objetivos a “médio/longo prazo”.

“O objetivo é elevar o corpo de bombeiros e levar a que seja uma referência a nível nacional (…) o importante é a segurança dos tomarenses, quem visita e cá trabalha. O objetivo é que todos estejam salvaguardados, que a proteção e o socorro sejam concretizados e melhorado ao nível que Tomar merece”, destacou o responsável.

Anabela Freitas realçou, tendo por base as considerações e intervenções dos vereadores de oposição, o facto de a vinda do comandante ser “algo que nos une [enquanto executivo municipal], porque em primeiro lugar está Tomar, e está aquilo que é a missão dos bombeiros, de proteção e socorro das pessoas”.

“É muito bem-vindo, e estamos os sete a torcer para que tudo corra bem. Eu aceitei o desafio que foi lançado pela oposição, e já o disse publicamente. À autarquia compete dar todos os meios para que os operacionais façam bem o seu trabalho e tenham tudo à sua disposição para que possam levar a cabo a sua missão. Há um compromisso público, e que sempre assim tem sido feito, de dar os meios, dotar o corpo municipal de bombeiros de Tomar dos meios necessários para melhor prestarem e cumprirem a sua missão”, disse a autarca, deixando votos de bom trabalho ao Comandante Humberto Morgado.

Anabela Freitas, quando confrontada novamente com o desafio lançado pelo vereador José Delgado, em que sublinhava a importância de dar meios humanos, logísticos e afins para que “o homem certo” possa desempenhar as suas funções, recordou que o município tem apoiado nesta matéria, enumerando uma série de investimentos.

Humberto Morgado, natural de Abrantes, é o novo Comandante dos Bombeiros Municipais de Tomar e Coordenador Municipal de Proteção Civil. Foto: mediotejo.net

“Comprámos três ou quatro ambulâncias, um veículo florestal de combate a incêndios, fizemos obras no quartel. Há muita coisa para fazer. Mas na questão dos bombeiros e proteção civil, nunca foi uma questão de recursos financeiros. É preciso é dizerem ‘preciso disto’. Não sou eu que estou todos os dias no quartel, não sou eu que sei o que eles precisam. Têm é que me fazer chegar as necessidades”, começou por argumentar.

Anabela Freitas disse que, com a figura do Coordenador Municipal de Proteção Civil, “está já acordado datas, equipamentos necessários e investimento que vamos fazer”, recordando que no Orçamento municipal para 2021 já está incluída verba para fazer face a estas despesas.

Por outro lado, lembrou que se prevê abertura de 16 vagas para bombeiros profissionais que venham reforçar a corporação. “O Comandante, quando se apresentou à corporação, também admitiu que iria abrir uma recruta para voluntários. A corporação de bombeiros precisa de melhorar, não em termos de obras, mas de funcionalidade do quartel. Pode contar sempre, qualquer que seja a pessoa que esteja no comando, com a abertura do lado da Câmara para disponibilização de recursos financeiros para aquisição dos equipamentos necessários”, reforçou.

A autarca aproveitou para salientar que também a matéria de Proteção Civil é importante, uma vez que o Serviço Municipal de Proteção Civil está incluído no quartel dos bombeiros. A Proteção Civil “vai muito para além do que são os bombeiros, aí é necessário um reforço muito grande, e foi pedido ao Coordenador Municipal, que trabalhasse nesta matéria, seja na vertente educativa e abordagem junto da comunidade escolar, seja, por exemplo, ter um plano especial para combate a incêndios no centro histórico”, disse a autarca, defendendo a criação de um manual atualizado de “abordagem específica para atuação em caso de incêndio no centro histórico e tudo o que são instalações municipais”.

Foto: Tomar na Rede

“Tudo isto foi pedido ao Coordenador Municipal de Proteção Civil, que até dava aulas nesta matéria e deu aulas e formação a muitos dos nossos elementos do corpo de bombeiros (…) Acredito sinceramente que temos aqui mão-de-obra, as condições para que possamos evoluir em matéria de proteção civil, e por consequência, na prestação de socorro à população”, terminou Anabela Freitas.

Na reunião de Câmara pública de dia 4 de janeiro foi também aprovado por unanimidade o estatuto remuneratório do Coordenador Municipal de Proteção Civil que é equiparado a chefe de divisão, bem como a atribuição de despesas de representação (este último ponto remetido à Assembleia Municipal).

Quem é o novo Comandante do corpo de Bombeiros tomarense e Coordenador Municipal de Proteção Civil do Município de Tomar?

Licenciado em Proteção Civil pela Escola Superior de Tecnologia e Turismo do Mar do Instituto Politécnico de Leiria e licenciado em Engenharia de Proteção Civil pela Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Castelo Branco. É também Mestre em Segurança aos Incêndios Urbanos pela Universidade de Coimbra e tem pós-graduação pelo Instituto Superior de Gestão e Administração de Leiria como Técnico Superior de Higiene e Segurança do Trabalho.

Foto: DR

O agora Comandante dos Bombeiros Municipais de Tomar, natural de Abrantes, iniciou a sua carreira enquanto bombeiro voluntário nos Bombeiros Municipais de Abrantes, de 1995 até 2001, ano em que integra enquanto bombeiro profissional na Câmara Municipal de Santarém, estando ao serviço nos Bombeiros Municipais de Santarém, agora Companhia de Sapadores Bombeiros de Santarém. Fez recruta na Escola do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa.

Passou a desempenhar, desde 2004, funções nos Bombeiros Municipais de Leiria, agor Bombeiros Sapadores de Leiria, onde foi promovido a Subchefe 2ª classe em 2007 na Escola do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa. Em 2017, faz curso de promoção a Subchefe de 1ª classe pela Escola Nacional de Bombeiros.

No currículo conta com outras funções nomeadamente de consultor na área de segurança contra incêndio em edifícios, bem como diretor no Curso Pós-Graduação em Proteção Civil no ISLA Leiria e docente na disciplina de Segurança Contra Incêndio e Incêndios Urbanos e Industriais, formador externo de Combate a Incêndios Urbanos e Industriais e de Telecomunicações da Escola Nacional de Bombeiros.

Foto: DR

É também Formador e júri no RVCC Bombeiro Nível 2 (extinto) e Nível 4 e no de Técnico de Proteção Civil de nível 4, pelo Centro Qualifica do IEFP de Leiria e pelo Agrupamento de Escolas Templários de Tomar.

Fez diversas especializações no âmbito do combate a incêndios, Proteção Civil e Segurança Contra Incêndios em Edifícios, de projetista de Segurança contra Incêndio em Edifícios da 3ª e 4ª categoria de risco, frequentou o curso Flashover e especialista em Matérias Perigosas pela ERSB.

Humberto Morgado sucede ao ex-comandante Carlos Gonçalves, que apresentou a sua demissão do cargo que ocupou desde 2015, numa altura em que deixou o comando dos Bombeiros de Vila de Nova da Barquinha (que liderava desde 1992) para substituir, em Tomar, o comandante Manuel Mendes, que atingiu naquele ano a idade da reforma.

Técnico superior, no quadro do município, o ex-comandante acedeu a acordo com a Câmara Municipal de Tomar. Segundo a autarca Anabela Freitas, Carlos Gonçalves irá agora desempenhar a função de Coordenador de Higiene e Segurança no Trabalho no Município.

“Como temos mais de 100 trabalhadores somos obrigados a ter um coordenador de Higiene e Segurança no Trabalho a nível interno. É nessa função que vai ficar, porque já exercia estas funções na Câmara Municipal de VN Barquinha, e já tem know-how nessa matéria. Pertence aos quadros da Câmara de Tomar há vários anos”, mencionou a autarca tomarense.

PUB
PUB
Joana Rita Santos
Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).