Tomar: Governo anuncia programa para recuperar e abrir património fechado

O ministro da Economia disse na terça-feira em Tomar que o Governo está a criar um programa para recuperar e abrir à visitação o muito património natural, histórico e edificado que se encontra fechado.

PUB

Manuel Caldeira Cabral falava no final de uma sessão que abriu o período de consulta pública da Estratégia Turismo 2027 (ET27), uma “visão” para a próxima década, que, para o ministro, deve servir de “mapa” e de “rumo” para um setor que “vive um bom momento”, com números recorde de turistas e crescimento de receitas.

“É o momento para ter uma estratégia a longo prazo”, disse o ministro, sublinhando que neste trabalho está a ser aproveitado “o que de bom veio de trás”.

PUB

Além da aposta na abertura de espaços que possam enquadrar a oferta turística nacional, Manuel Caldeira Cabral referiu o esforço que está a ser feito para a qualificação, não só no aumento de pessoas em formação, mas também na qualidade de ensino nas escolas de turismo, incluindo aí a motivação para o empreendedorismo, a aquisição de “soft skills” que ajudem as pessoas a “aprender a interagir” e as tecnologias de informação.

A abertura do período de consulta pública decorreu com uma sessão que reuniu mais de uma centena de pessoas no auditório do Convento de Cristo, monumento Património da Humanidade, na qual foi feita uma apresentação do documento, que se encontra disponível em http://estrategia.turismodeportugal.pt/, e uma abordagem ao setor, em dois painéis de discussão, por quem está “dentro” e “fora”.

PUB

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, referiu os “problemas estruturais” do país, que “impõem políticas ativas”, nomeadamente em termos de infraestruturas, acessibilidades, qualificação das pessoas, coesão social.

“Precisamos todos de assumir os compromissos necessários para aumentar o valor da oferta, desconcentrar a procura de forma geográfica e ao longo de todo o ano para que a atividade turística seja sustentável, crie riqueza e emprego qualificado”, disse, sublinhando que com a ET27 se visa “construir um referencial estratégico para o turismo em Portugal, estável e estruturante, que resulte do trabalho articulado entre o setor público e o privado”.

Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, afirmou que o diagnóstico feito ao setor mostrou que os números, que, nomeadamente, revelam taxas de crescimento de receitas anuais da ordem dos 6,2%, estão em “clara curva ascendente”.

O setor representa 15,3% das exportações totais e 8,2% do emprego em Portugal, tendo-se registado no primeiro trimestre deste ano um crescimento de 14,9% nos hóspedes, 16% nas dormidas e 6,8% nas receitas, face ao ano transato, afirmou.

Contudo, o rendimento médio anual das pessoas que trabalham no setor é baixo, a atividade continua centrada no litoral e a manter forte sazonalidade, Portugal continua a ser periférico na acessibilidade para novos mercados e as empresas estão descapitalizadas, disse.

Por isso, os dez desafios colocados apontam para o aumento do rendimento e da população empregada, a redução das assimetrias, o crescimento do setor em valor, com o consequente aumento das receitas, redução da sazonalidade, melhoria da acessibilidade, capacidade de resposta à procura de turistas “mais informados e exigentes”, inovação e economia digital, sustentabilidade, simplificação da legislação e da máquina administrativa e assegurar capacidade de investimento às empresas.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

pub

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here