Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Novembro 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Festas nas aldeias poderão ser realidade com regras do município

O Município de Tomar demonstrou a intenção de permitir a realização de festas nas aldeias do concelho, mas com imposição de novas regras e só se as condições sanitárias o permitirem. Anabela Freitas (PS) referiu que “é intenção do Município de Tomar não parar a atividade económica”, entendendo que as festas realizadas nas aldeias, durante o verão, contribuem para a dinamização da economia local, sendo fonte de receita para as associações que as organizam. Por outro lado, defendeu a edil, também contribuem para o setor do espetáculo, parado há largos meses. As regras para realização das festas estão em discussão, devendo seguir para aprovação em sede de Comissão Municipal de Proteção Civil.

- Publicidade -

Anabela Freitas, presidente da CM Tomar, referiu que a “intenção é não proibir as festas de aldeia, mas têm de se fazer com outro tipo de regras. Está a ser trabalhado o processo e só depois serão chamadas as associações para os colocar a par das deliberações”, indicou.

A presidente da Câmara assumiu que só se autorizarão as festas “mediante planos de contingência”, sublinhando que “a festa como a conhecíamos o ano passado, e nos anteriores, não pode acontecer”.

- Publicidade -

“Tem que existir regras de saúde e segurança, que vão ser aprovadas em Comissão Municipal de Proteção Civil. A ideia é permitir que a partir de 1 de julho possam acontecer”, explicou. No entanto, se houver uma alteração da situação sanitária, terá de se recuar.

A edil deu ainda conta que o Município está a trabalhar com todos os empresários da área do espetáculo do concelho, no sentido de programar animação na cidade, “só com artistas de Tomar”, sendo uma “forma direta” de ajudar os intervenientes do setor.

“Não fazia sentido estarmos a organizar esta iniciativa, e depois nas aldeias não deixar as associações fazê-lo”, disse.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome