Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Agosto 2, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Escola de Artes Medievais anima Festa Templária

A sopa está a fumegar do interior de um caldeirão de cobre e há um cheiro de ervas aromáticas no ar. Serve-se vinho em copos de barro e, ali bem perto, amassa-se pão e costura-se. Estamos no Jardim do Mouchão, onde se concentram as tasquinhas da Festa Templária de Tomar que se prolonga até domingo, 9 de julho, e que ganha uma animação diferente graças aos alunos da Escola de Artes Medievais dinamizada pela ADIRN – Associação do Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte.

- Publicidade -

Ao todo são cerca de 35 elementos da Escola de Artes Medievais, de todas as idades, que contribuem para dar um maior rigor histórico ao evento.

A Escola de Artes Medievais está aberta à participação de qualquer interessado Foto: mediotejo.net

- Publicidade -

Jorge Rodrigues, coordenador da ADIRN, recorda que a Escola de Artes Medievais foi criada em 2014, na sequência da primeira edição da Festa Templária de Tomar. “Percebemos que seria uma forma muito interessante de desenvolver este tipo de eventos, criando competências nas pessoas que vivem neste território”, explica. Deste modo, a Escola de Artes Medievais da ADIRN tem o objectivo de transmitir conhecimentos para que as pessoas se apropriem da sua história, cultura e património para que sejam elas os protagonistas dos eventos e da  promoção do seu território.

Na Festa Templária de Tomar estão a demonstrar, por exemplo, o funcionamento de uma Taverna, com actuação de personagens (rameiras, pedintes e um frade embriagado), atelier de ervas aromáticas, atelier de costura de época, uma mesa representativa da alimentação da época (com peixe seco, por exemplo), acessórios em couro e cabedal, uma tenda de cozinha medieval e ainda aulas de caligrafia medieval.

Alunos podem escolher participar nos Atelier’s que mais gostam Foto: mediotejo.net

“No primeiro ano, devido a um financiamento, tivemos muitas actividades quer ao nível formativo, quer ao nível demonstrativo. Fizemos um conjunto de palestras importante, com convidados externos, sobre os temas principais da Época Medieval, do vestuário à cozinha que tiveram o seu espaço de promoção. Tivemos ainda muitos acampamentos e eventos demonstrativos”, recorda.

Atelier de costura medieval Foto: mediotejo.net

Deste modo, a Escola de Artes Medievais foi estruturada em três áreas: teórica, artes performativas (danças, esgrima e as personagens históricas) e a parte dos atelier’s e ofícios (ervas aromáticas, costura, confecção de comida). Mesmo sem o financiamento do primeiro ano, o grupo de alunos não se quis desfazer e continua a participar ativamente na formação.

Domingos Jorge, conhecido como Mingas, é um dos alunos da Escola de Artes Medievais da ADIRN Foto: mediotejo.net

Neste momento, deparam-se com a dificuldade de não ter espaço próprio para ensaios em Tomar – dado que o protocolo com o Convento de Cristo nunca chegou a ser assinado – estando a ser usado o espaço da ADIRN em Vila Nova da Barquinha para dar formação aos alunos. “Temos, neste momento, dois pólos distintos. Um grupo de 35 pessoas, que são as que estão a participar aqui na Festa Templária Tomar e temos outro grupo, com o mesmo número, que está a desenvolver a Festa Templária de Almourol (Torres Novas) em setembro.

Maria Manuela Inocêncio frequenta a Escola de Artes Medievais há dois anos, considerando que a experiência é muito enriquecedora Foto: mediotejo.net

A Escola, aberta à participação de todos os interessados e sem quais custos, envolve a formação dada por oradores credenciados ou então formação dada pelos próprios alunos que estudam temas e apresentam os resultados aos seus colegas. Também contam com ensaios de danças medievais, de pequenas peças de teatro e dramatização.

“Como estamos a preparar a Festa do Almourol as pessoas estão a receber ensinamentos sobre as vestes e sobre como é que as coisas se processavam”, exemplifica. “Queremos que as pessoas, quando participam nos eventos, assumam e vistam a personagem e estejam perfeitamente cientes de que como é que seria na altura e do que podem fazer e não podem. Não faz sentido nenhum uma pessoa vestir-se de Templário se não souber a história do Castelo de Tomar ou da Ordem do Templo”, refere Jorge Rodrigues.

No Jardim do Mouchão foi montada uma Taverna da Época Medieval Foto: mediotejo.net

A “moeda de troca” dos alunos passa por participarem ativamente nos eventos medievais que se realizam no seu território, animando os monumentos e contando a sua história e cultura a quem os visita. “Não há lugar ao pagamento de propinas. A formação é gratuita em troca da disponibilidade das pessoas em participarem nos eventos, sendo que até podem vir a receber nos eventos pagos”, atesta.

A servir na Taverna vestido a rigor, Domingos Jorge, conhecido como Mingas, 64 anos, é um dos alunos da Escola de Artes medievais da ADIRN refere que esta é uma forma de passar o tempo ao mesmo tempo que adquire mais conhecimentos.

“Ajuda a passar o tempo e, simultaneamente, é interessante o contacto com as pessoas. O que vemos e aprendemos já vale”, refere ao mediotejo.net. Também Maria Manuela Inocêncio, que veste o papel de Gertrudes na Feira Templária de Tomar, considera que é muito gratificante participar na Escola de Artes Medievais e nos cursos dinamizados pela ADIRN. “Faço-o, sobretudo, para me valorizar, e para aprender mais sobre a época medieval”, atesta.

Programa da Festa Templária de Tomar

8 de julho – sábado
12h00 – 24h00 – Feira de Artesanato e Tasquinhas (abertas até às 2h00)
10h00 – Visitas Culturais
12h00 – 15h00 / 19h00 – 23h00 – Festival de Cozinha Medieval (restaurantes aderentes)
22h00 – Cortejo Noturno

9 de julho – domingo
10h00 – Visitas Culturais
12h00 – 23h00 – Feira de Artesanato e Tasquinhas
12h00 – 15h00 / 19h00 – 23h00 – Festival Cozinha Medieval (restaurantes aderentes)
18h00 – Render da Guarda

Todos os dias:
Acampamento Templário, personagens históricas, danças medievais, treino dos Homens de Armas, cenas da vida na Taberna e jogos medievais no Mouchão Parque.
Recriações no Centro Histórico (danças medievais e ofícios).

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome