Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Outubro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Dois dias históricos na Ceyceyra Medieval

A IV Feira Medieval de Asseiceira está marcada para o próximo fim-de-semana e são dois dias históricos para os visitantes que aceitarem o desafio para viajar no tempo com a “Ceyceyra Medieval” a 22 e 23 de setembro. O evento criado em 2015 volta a encher a localidade com inúmeras atividades que assinalam a doação de Ceyceyra a Pedro Ferreiro, no seguimento da doação, quatro anos antes, pelos Templários a Paio Farpado.

- Publicidade -

A arruada pelas ruas do burgo “A Rua’Da e Saltarellus”, às 14h00 de sábado, marca o arranque do programa da quarta edição que junta tabernas e tendas de mercadores, arruadas, recriações históricas, animação de rua, cortejos medievais, espaços para crianças com campo de arqueiro e jogos, música, falcoaria, uma quinta medieval, um acampamento templário, exposição e treino de armas, ofícios históricos e danças.

Para as 15h30 está marcado o cortejo solene em que os figurantes desfilam desde a porta principal até à praça seguido, meia-hora mais tarde, por recriações históricas e animação de rua. A feira encerra neste dia à 01h00, mas antes os visitantes ainda têm oportunidade de assistir ao Cortejo Medieval inspirado na “Doação de D. Pedro Alvito do lugar de Ceyceyra a Pedro Ferreiro”, que começa às 21h30.

- Publicidade -

No domingo, há nova arruada “A Rua’Da e Saltarellus”, que anima os primeiros momentos do dia nas tabernas e tendas dos mercadores, a partir das 11h00. As recriações históricas e animação de rua regressam, às 14h00, e a tarde também fica marcada pelo Cortejo Medieval inspirado na “Doação de Ceyceyra à Ordem do Templo”, pelas 17h00. O encerramento da Ceyceyra Medieval é assinalado, às 22h00, com um cortejo e uma cerimónia que incluem espetáculo de fogo e regressa-se ao século XXI às 23h00.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome