- Publicidade -

Segunda-feira, Janeiro 24, 2022
- Publicidade -

Tomar | Desporto da Hertz recebeu prémio CNID na categoria Rádio

A Hertz, de Tomar, foi a vencedora do prémio Rádio do ano 2019-2020 atribuído pela Associação dos Jornalistas de Desporto (CNID), tendo recebido o o Prémio Artur Agostinho no dia 6 de dezembro, em Lisboa, na cerimónia da entrega de prémios referentes às duas últimas épocas, depois do adiamento da festa prevista para o ano passado, em Odivelas, devido à pandemia de covid-19.

- Publicidade -

Contactado pelo mediotejo.net no dia do anúncio da lista de galardoados, em 2020, Paulo Pereira, da equipa desportiva da Hertz, disse que este prémio constituiu-se como “uma agradável surpresa”, tendo lembrado que o programa Hertz Desportivo é “um dos mais antigos em Portugal”, e que “desde fevereiro de 1983 (ainda no tempo das rádios piratas e legalizada a 9 de junho de 1989) , que a Rádio Hertz sempre acompanhou o desporto”.

“Quando em 2016 aceitei o desafio de fazer parte de um projeto com história, nunca pensei em prémios. Trabalhamos de forma positiva com rigor, qualidade e profissionalismo e quero, por isso, dedicar este prémio CNID a todos que fazem ou fizeram parte da equipa desportiva da Rádio Hertz e agradecer especialmente aos ouvintes, patrocinadores e aos grandes responsáveis por esta dinâmica, João Franco e António Feliciano”, afirmou.

- Publicidade -

Para Paulo Pereira, este prémio “representa uma humilde contribuição para a história do jornalismo desportivo radiofónico em Tomar/Portugal. Fiéis às origens, continuamos a ouvir desporto e a dar antena a quem são os protagonistas”, concluiu.

 

- Publicidade -

São mais de 30 anos de luta e de ligação à comunidade, sempre com grande atenção ao desporto. João Franco é o diretor de uma equipa que, se não é grande em número, tem grande coração. Paulo Pereira, António Feliciano e Rui Bugalhão são os “homens do desporto” da Rádio Hertz.

Pichardo, Mamona, Rúben Amorim e Sporting entre os premiados do CNID

A Associação dos Jornalistas de Desporto (CNID) distinguiu os atletas Pedro Pichardo e Patrícia Mamona, o ciclista Iuri Leitão, a jogadora de futsal Ana Catarina Pereira, a ginasta Filipa Martins e os treinadores Rúben Amorim e Bruno Pinheiro.

Os cinco atletas são os premiados pela direção do CNID pelos desempenhos na temporada 2020/21, juntamente com os treinadores Rúben Amorim, que reconquistou para o Sporting o título de campeão nacional de futebol, 19 anos depois, e a Taça da Liga, e Bruno Pinheiro, vencedor da II Liga no comando técnico do Estoril Praia.

Pichardo tornou-se o quinto português campeão olímpico, em Tóquio2020, ao vencer o concurso do triplo salto, disciplina em que Mamona conquistou a medalha de prata.

Iuri Leitão sagrou-se campeão do mundo de scratch em ciclismo de pista, Ana Catarina Pereira foi considerada a melhor jogadora de futsal do mundo e Filipa Martins alcançou o sétimo lugar no Mundial de ginástica artística, a melhor classificação de sempre de uma portuguesa.

Também o Sporting foi foi distinguido como clube do ano, na cerimónia que decorreu no Mercado de Santa Clara, em Lisboa, no dia 06 de dezembro, depois do adiamento da festa prevista para o ano passado, em Odivelas, devido à pandemia de covid-19.

Igualmente premiados relativamente à época 2020/21 foram os jornalistas João Pedro Mendonça (RTP), Gil Carvalho (Terras do Demo), Filipe Alexandre Dias (O Jogo/Record), José Manuel Delgado (A Bola), Mariana Fernandes (Observador), Ricardo Espírito Santo (realizador) e Miguel Guerreiro (SIC).

No evento, integrado nas comemorações dos 55 anos da associação, foram ainda entregues os prémios anteriores de desportistas do ano, aos ciclistas Maria Martins e João Almeida, vencedores em 2020, e à jogadora de ténis de mesa Fu Yu e ao judoca Jorge Fonseca, em 2019, assim como algumas medalhas evocativas da data a várias personalidades e instituições.

C/LUSA

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome