Quarta-feira, Março 3, 2021
- Publicidade -

Tomar | Cine-Teatro Paraíso com novo ar traz cinema comercial de volta à cidade (c/ÁUDIO)

O Cine-Teatro Paraíso de Tomar reabriu portas à comunidade após encerramento desde março para obras de remodelação com vista à retoma das sessões de cinema comercial e demais atividades culturais naquele espaço, inserido no centro histórico nabantino. O cine-teatro inauguro uma nova fase no dia 12 de dezembro, com o primeiro evento da programação de reabertura, tendo contado com concerto especial de Natal pela cantora Carolina Deslandes.

- Publicidade -

O ponto alto desta reabertura deu-se nos dias 20 e 21 de dezembro, com a inauguração do primeiro ciclo de sessões de cinema, estando anunciada a exibição de filmes como “Listen”, “Trolls: Tour Mundial”, “Fuga de Pretória” e “Miss”. Passarão a haver sessões ao domingo (11h00, 16h30, 19h30) e segunda-feira (19h30), com possibilidade de ajustes no futuro mediante a adesão e feedback dos espetadores.

Numa sessão simbólica que decorreu no dia 11 de dezembro de apresentação da remodelação e nova imagem do Cine-Teatro Paraíso, num trabalho interno produzido pelo Município de Tomar com apoio das diversas Divisões, desde Turismo e Cultura, Obras Municipais, Informática e outras, Filipa Fernandes, vereadora com o pelouro do Turismo e Cultura, abordou as novidades deste novo ciclo, após apresentação de um vídeo alusivo aos meses de trabalho naquele equipamento cultural da cidade, que é agora devolvido à população tomarense.

- Publicidade -

A programação do cine-teatro engloba espetáculos já confirmados, caso do concerto “Christmas Carol”, por Carolina Deslandes, no dia 12, seguindo-se teatro de marionetas com “Arabesco” pelo Red Cloud, dia 19, pelas 21 horas. Previa-se ainda concerto de Ano Novo em janeiro com António Zambujo, entretanto adiado, esperando-se em palco, em 2021, concertos de Clã, Luísa Sobral e Jorge Palma, e ainda revista à portuguesa “E Tudo o Morto Levou!” com Marina Mota e o espetáculo “Casal da Treta” com Ana Bola e José Pedro Gomes.

Filipa Fernandes explicou que este interregno de funcionamento do cine-teatro serviu para beneficiação e remodelação de alguns espaços interiores, bem como renovação de equipamentos, tendo ainda sido realizadas obras para aumentar a acessibilidade a pessoas de mobilidade reduzida, nomeadamente com intervenção com colocação de rampa na porta principal e no acesso ao bar. Todas as intervenções foram feitas pela Divisão de Obras Municipais do Município de Tomar, não havendo para já estimativa do investimento total da autarquia neste projeto de requalificação.

Foto: mediotejo.net

Entre as intervenções de requalificação do equipamento constam a substituição da cortina corta-fogo, que já tinha 20 anos e estava já obsoleta e que custou cerca de 40 mil euros. Também foi instalado sistema de alarme de incêndio e intrusão.

Foi também feita intervenção de requalificação no espaço do bar e do foyer (1º piso). “Ali funcionava um bar noturno, estava com muitas anomalias e era preciso recuperar quer o pavimento, quer as paredes, quer as infraestruturas elétricas. Retomámos o que era o cine-teatro inicialmente”, disse a vereadora.

Por outro lado, foi também substituída a iluminação passando a ser de led por uma questão de economização, e foram reparadas anomalias com intervenções no isolamento da cobertura do terraço, por serem visíveis fissuras no edifício, e poderia trazer não só infiltrações como passagem de ar.

A marcar um novo ciclo de funcionamento do Cine-Teatro Paraíso – edifício que veio suceder ao antigo teatro Nabantino construído em 1885, mais tarde demolido para dar lugar ao atual cine-teatro – foi criada uma nova imagem e sinalética pelo designer do Gabinete de Comunicação da autarquia, Duarte Carolino.

“Para tornar esta casa dos tomarenses e para os tomarenses, decidimos convidar artistas tomarenses para que dessem alguma vida e cor ao bar e ao foyer. No bar podemos encontrar duas obras de Joana Maçarico com desenhos do edificado tomarense. No foyer temos obra de Dawn Mendonça e Bill Rivers, com um mural, e João Videira, artista residente na Moagem, que criou o mobiliário deste espaço e para o bar”, referiu.

Foi criado um núcleo expositivo permanente com espólio do antigo cine-teatro Nabantino. Foto: mediotejo.net

Além da intervenção de artistas locais, foi criado um núcleo expositivo permanente, usando as montras que já existiam no edifício, passando a expor todo o espólio existente do cine-teatro antigo. “Temos uma máquina de projeção do século XX, que trabalhou pela última vez em agosto de 2004, no evento Noites Quentes à Fresca, no Cine-Esplanada. Hoje passa a integrar a exposição dinamizada pela Patrícia Romão e pela Andreia Pardal, da equipa de Museologia do município”, mencionou Filipa Fernandes.

Outro dos pontos que marcou esta conferência de apresentação da reabertura do equipamento cultural prendeu-se com as medidas e normas de utilização do cine-teatro em tempo de pandemia de covid-19.

Segundo a vereadora, “Tomar tem mostrado ao longo do tempo que é possível retomar as atividades culturais de forma completamente segura. É isto que mostramos no cine-teatro, que abre portas porque, garantidamente, é um espaço seguro e estará desinfetado para receber todos os que queiram assistir aos espetáculos culturais”.

A lotação foi diminuída para menos de 50%, contando com 201 dos 410 lugares, estando as cadeiras da plateia marcadas com fita, separando e distanciando os lugares, e foram definidos circuitos para os espetadores, além da existência de produtos e equipamentos de desinfeção e proteção como tapetes, dispensadores de pedal com solução desinfetante e acrílicos para zona de atendimento.

Após cada sessão todas as cadeiras da sala serão desinfetadas com lâmpadas ultravioleta, que “garantem a eficácia na desinfeção de 99,9%”. As medidas covid-19 foram revistas e aprovadas pela Delegação de Saúde Pública do Médio Tejo.

Foto: mediotejo.net

“Estamos em condições de dizer que em Tomar há cultura segura. É isso que queremos mostrar a todos os tomarenses. Vamos retomar não só a programação regular, como os concertos e espetáculos, bem como sessões do cineclube, mas também as sessões de cinema comercial. Esta era uma premissa deste executivo, já era uma premissa da presidente Anabela Freitas”, disse, terminando com agradecimento público aos funcionários do município envolvidos no projeto de requalificação e da Divisão de Cultura.

Filipa Fernandes quis ainda prestar agradecimento público e homenagem a Anabela Freitas. “Quando se tem à frente dos desígnios de Tomar uma pessoa com uma visão que pensa muito mais do que é substancial, que vê na cultura a essência para trabalhar o seu território, é sem dúvida o caminho que queremos para Tomar. É um orgulho imenso ser vereadora da Cultura quando tenho acima de mim uma líder como Anabela Freitas, que abraça não só aquilo que são iniciativas culturais, mas que vai muito mais além (…) E assim podemos crescer num ambiente muito mais rico e produtivo, e os cidadãos sentirem-se muito mais integrados na sociedade e não precisarem de procurar territórios vizinhos para ir assistir a espetáculos, cinema e a outro tipo de iniciativas”, disse.

Por seu turno, a autarca Anabela Freitas sublinhou a importância da cultura no atual contexto de pandemia, referindo ser “a cola que nos une e liga enquanto sociedade”.

Áudio: Intervenção e reflexão da autarca tomarense sobre a importância da cultura na sociedade num tempo de pandemia, em que a realidade obriga a maior afastamento e distanciamento entre as pessoas, e onde as iniciativas culturais assumem um papel importante enquanto “elo de ligação” na comunidade

 

A autarca lembrou as matinés de sala cheia que fizeram parte da história dos tomarenses, e o hábito de consumo de cinema que se foi perdendo por não existirem sessões regulares.

O primeiro desafio é voltar a conquistar os públicos e atrair os tomarenses às exibições, sendo que o objetivo é devolver esta “Casa da Cultura” aos tomarenses, oferecendo programação desde o teatro, ao cinema, à música, as artes de palco, e “devolver aos artistas tomarenses ou residentes em Tomar um espaço onde possam expor a sua arte”, assumindo que o cine-teatro se assume agora como espaço multifuncional.

Foto: mediotejo.net

Não deixou também de mostrar preocupação com o impacto que a pandemia de covid-19 e o distanciamento e isolamento que acaba por trazer ao quotidiano, afastando as pessoas enquanto “animal social”.

“Isto vai deixar marcas na nossa sociedade (…) o facto de nos termos de isolar e sendo animais sociais, vai-nos levar a um maior egoísmo. E eu entendo que a cultura, nas suas diversas formas, será a cola que nos vai ligar enquanto sociedade”, argumentou, frisando que “a questão cultural deve estar sempre presente no centro das políticas públicas”.

Por fim, Anabela Freitas deixou um apelo aos tomarenses, para que “venham ao cine-teatro, venham ver cinema, venham ver teatro, música, aproveitem e vejam as obras dos nossos artistas, e apropriem-se deste espaço que é de todos”.

Também na sessão esteve Rita Rio Sousa, responsável de programação da empresa First Pick, Lda, de Lisboa, a quem foi adjudicado o serviço de fornecimento de conteúdos cinematográficos para exibição no Cine-Teatro Paraíso.

O contrato para aquisição de serviços e fornecimento de conteúdos cinematográficos para exibição no Cine-Teatro Paraíso de Tomar foi celebrado pelo valor de 308.823,84 € + IVA, o que resulta num total de 379.853,32 euros. Deverá ser paga a quantia anual de 102.941,28 euros + IVA, segundo o contrato, e “o preço contratual resultará da receita de bilheteira, apurada mensalmente, deduzida a participação de 22% a entregar ao Município de Tomar”.

Na apresentação a responsável agradeceu o investimento do Município “numa altura em que a cultura está tão sensível e é um dos setores mais afetados com a pandemia”, referindo que o panorama em termos cinematográficos está a sofrer alterações e constrangimentos devido à covid-19, com consumo de conteúdos essencialmente via streaming e com produções que simplesmente se viram forçadas a parar.

“2021 será um ano de grande surpresa, não sabemos o que aí vem e tememos que seja o ano da morte do cinema, esperemos que não”, alertou.

Foto: mediotejo.net

Sobre a programação de cinema comercial, que arrancou nos dias 20 e 21 de dezembro, referiu a responsável pela empresa que irão passar no grande ecrã “diferentes géneros, desde terror, comédia, drama, os filmes dos Óscares vão voltar a Tomar”. Os filmes em cartaz vão ser exibidos em diferentes sessões e em diferentes dias e horários para permitir que todos tenham acesso.

No dia 20, com sessões às 11h00, 16h30 e 19h30, arrancou oficialmente o novo ciclo de cinema comercial em Tomar com o filme “Listen”, premiado em Veneza e sério candidato aos Óscares, com a realizadora Ana Rocha de Sousa a estar presente na última sessão, segundo informação da autarquia.

Na programação para o mês de dezembro surge ainda o filme de animação “Trolls: Tour Mundial”, “Fuga de Pretória” e “Miss”, bem como “Super-Inteligência” e “O Melhor Está Por Vir”. Em janeiro, entram em exibição “O Mundo Secreto dos Dragões”, “Mulher-Maravilha 1984” e “#Sem Saída”.

Também o Cineclube de Tomar vai manter as suas sessões regulares, com programação autónoma, todas as terças-feiras às 19h00, e agora com melhores condições de projeção, uma vez que usará o sistema da empresa responsável pela exibição de cinema comercial.

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres: o conhecimento e o saber, a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
O seu nome

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).