Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Setembro 22, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Centro Hospitalar (CHMT) prossegue investimento em eficiência energética

As obras na Unidade Hospitalar de Tomar estão a avançar a “bom ritmo”, anunciou o Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), estando em curso a requalificação do telhado com a retirada das placas de fibrocimento e a respetiva adaptação para a instalação de painéis fotovoltaicos.

- Publicidade -

- Publicidade -

A instalação destes 836 painéis fotovoltaicos representa um investimento de mais de meio milhão de euros (507.760,68€), sendo uma parcela dos 1,2 milhões de euros investidos na Unidade de Tomar em projetos de eficiência energética, deu conta a administração do CHMT.  A instalação destes 836 painéis fotovoltaicos, com uma potência média unitária de 94,08Wp e uma potência elétrica total de 280KWp, significa uma produção energética estimada de 481,73MW, por ano, contabilizou. 

Esta instalação integra-se no projeto de eficiência energética concretizado nas três Unidades do Centro Hospitalar do Médio Tejo, um investimento total aproximado de 4 milhões de euros.

- Publicidade -

O Centro Hospitalar do Médio Tejo tem em curso, desde 2020, um investimento de quatro milhões de euros em eficiência energética nas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, tendo por objetivo reduzir em 25% a fatura anual de 1,2 ME em eletricidade.

Constituído pelas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, separadas geograficamente entre si por cerca de 30 quilómetros, o CHMT funciona em regime de complementaridade de valências, abrangendo uma população na ordem dos 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, de Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos de Portalegre.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome