Tomar | Centro de Apoio a Migrantes já funciona no Balcão Único Municipal

Foi o 60.º Centro de Apoio a Migrantes a ser inaugurado no país. Falamos do Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes (CLAIM) que funciona no Balcão único do Município de Tomar desde esta quarta-feira, 2 de novembro.

A cerimónia de inauguração foi, contudo, na tarde de 31 de outubro, após a reunião de executivo camarário. Um momento que contou com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino, e que surgiu na sequência de protocolo assinado entre o Alto Comissariado para as Migrações aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal, igualmente assinado na ocasião.

img_0139
Nova valência foi instalada no Balcão Único do Município no edifício dos Paços do Concelho Foto: mediotejo.net

A presidente da autarquia, Anabela Freitas (PS) começou o seu discurso recordando que durante o mês de outubro, em que se assinalou o mês da Cidadania, Igualdade e Solidariedade, foram realizadas mais de 50 iniciativas, algumas das quais em parceria com associações e entidades locais. “É gratificante poder afirmar que as associações aderiram de uma forma espontânea e massiva aquilo que foi esta iniciativa e, portanto, será obviamente uma iniciativa para repetir”, disse.

PUB

A autarca mostrou-se ainda satisfeita pela relevância dada à abertura deste centro de apoio – o 60.º a abrir em território nacional –  realçando que “Tomar tem tido uma procura significativa de imigrantes de países como a França ou a Inglaterra” e que também por isso é importante dar-lhes condições de acolhimento que ajudem à fixação.

A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino, salientou a importância da abertura deste centro “num momento em que Portugal continua a acolher refugiados”, sendo esta uma matéria consensual entre todas as forças políticas representadas no Parlamento.

img_0106
Protocolo assinado entre o Alto Comissariado para as Migrações e a Câmara Municipal Foto: mediotejo.net

A governante frisou ainda que Tomar pode ter também, neste campo, um papel determinante, tendo em conta o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo executivo camarário na tentativa de integração da comunidade cigana, que considerou um dos melhores a nível nacional.

“Dou sempre o exemplo de Tomar quando falo de população cigana porque sei que é uma terra que, ao contrário de outras, faz um esforço imenso para a integração das pessoas ciganas. É um concelho com uma comunidade cigana ativa que também quer integrar-se e isso é importante”, referiu Catarina Marcelino no Salão Nobre dos Paços do Concelho, salientando ainda o “esforço imenso do município” para resolver o problema da habitação social.

img_0126
Inauguração contou com a presença de cerca de duas dezenas de convidados Foto: mediotejo.net

“Sei que, desde que tomou posse, tem feito um esforço imenso para que essa situação se resolva – e ela não é fácil de se resolver – mas eu estou certíssima que haverá uma solução ate ao fim deste mandato. Tenho essa convicção porque, acima de tudo,  a vontade de um autarca é determinante para conseguirmos chegar a solução”, disse.

Em relação à temática dos refugiados, Catarina Marcelino considera que os mesmos devem ser encarados como sendo uma mais-valia para o país, dado que muitas vezes trazem um valor acrescentado do ponto de vista cultural contribuindo também para o aumento das taxas de natalidade.

“As pessoas refugiadas tem que ser vistas como mais valia para o pais nós porque não estamos a falar de um movimento migratório normal. Estamos a falar de uma realidade que é uma crise humanitária. As pessoas fogem da guerra. Fogem do terrorismo. É neste espírito de solidariedade, com esta causa humanitária, que Portugal abriu a sua porta e temos neste momento no país cerca de 700 pessoas refugiadas, esperando até ao final do ano contar com mil, mil e duzentas”, anunciou a governante.

img_0131
Serviço pretende prestar apoio a quem chega ao país Foto: mediotejo.net

O CLAIM funciona espaço que o Município disponibilizou para o efeito, no rés-do-chão dos Paços do Concelho, em articulação directa com o Balcão Único. A autarquia assegura os técnicos para prestar serviço nas instalações, com vista a promover e dinamizar o acolhimento, a integração, a participação e formação profissional e cívica dos imigrantes e seus descendentes.

Por sua vez, o Alto Comissariado responsabiliza-se por assegurar a formação inicial e contínua desses técnicos; disponibilizar informação sobre regras gerais de atendimento, respostas padronizadas, folhetos informativos e outros materiais; bem como disponibilizar o acesso a uma Base Dados de Registo diário de Atendimentos, comum a toda Rede CLAIM.

PUB

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here