- Publicidade -
Terça-feira, Janeiro 18, 2022
- Publicidade -

Tomar | Câmara pede esclarecimentos ao Governo sobre painéis solares flutuantes

Depois de lançado o alerta e preocupação com a divulgação do leilão para instalação de painéis fotovoltaicos na Albufeira de Castelo de Bode, no concelho de Tomar, e de o tema ser sido debatido na última sessão de Assembleia Municipal, agora os vereadores do PSD na Câmara Municipal de Tomar fizeram requerimento sobre os desenvolvimentos deste tema, pedindo acesso a todas as comunicações com o Ministério do Ambiente e diligências da autarquia tomarenses. Por seu turno, a presidente de Câmara, Anabela Freitas (PS), deu conta de que ainda não chegaram por escrito as respostas do Governo às questões colocadas pelo Município à tutela sobre esta instalação e impactos no território e populações. O assunto já foi debatido em Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, nomeadamente entre os cinco concelhos com ligação à albufeira de Castelo de Bode, que não põem de parte uma tomada de posição conjunta após a receção dos esclarecimentos.

- Publicidade -

Lurdes Fernandes (PSD) abordou o anúncio de concurso para instalação de central solar flutuante na albufeira, no concelho de Tomar. O espaço será equivalente a 60 campos de futebol em termos de ocupação.

ÁUDIO | Lurdes Fernandes, vereadora do PSD na Câmara Municipal de Tomar

- Publicidade -

Pretendeu saber se já existiriam respostas quanto às preocupações levantadas sobre este assunto, que foi abordado na passada Assembleia Municipal após intervenção de uma cidadã.

Os vereadores do PSD querem ter acesso a todas as reuniões, emails, perguntas e respostas, esclarecimentos e outros sobre este tema.

- Publicidade -

Entende que deve ser tomada posição conjunta de todas as autarquias, juntas de freguesia, que confinam com a albufeira, em defesa do Castelo de Bode como nascente de vida e património natural.

Refere que as medidas tomadas pelo Governo de António Costa estão a prejudicar o desenvolvimento do Interior e contribuem cada vez mais para a sua desertificação, com soluções como estas.

“As populações têm oportunidade de apresentar um cartão vermelho nestas eleições a António Costa e ao Ministro João Pedro Matos Fernandes”, afirmou a vereadora do PSD.

A autarca Anabela Freitas, por sua vez, disse continuar à espera de respostas por escrito às questões colocadas à tutela, lembrando que a Câmara Municipal questionou o Governo no dia seguinte ao concurso/leilão ter sido lançado, tendo sabido pela comunicação social.

ÁUDIO | Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar

Ainda assim, disse ter aproveitado a visita a Abrantes do Ministro do Ambiente e do Secretário de Estado para lançamento do Programa de Transição Justa pelo encerramento da Central do Pego e questionado verbal e diretamente sobre o assunto. Insistiu a edil que, apesar de ter uma resposta dessa ocasião, solicitou que a mesma chegasse por escrito com intuito de divulgar publicamente a informação.

Quanto às questões enviadas pela autarquia, frisou que encerram todo o enquadramento de que a albufeira além de recurso hídrico, também tem dinâmica a nível de turismo e natureza.

Por outro lado, mencionou que a identificação dos locais de possível instalação dos painéis solares flutuantes foi feita pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) que é o organismo que detém competência sobre a matéria.

Sobre o que lhe fora dito em discurso direto, Anabela Freitas disse que foi assegurado “não estar em risco o abastecimento dos meios aéreos para combate a incêndios e os locais identificados são em braços de rio que já não permitem a entrada de barcos”. Também foi dada garantia que “toda a atividade náutica, desportiva e recreativa e atividade de combate a incêndios não será prejudicada pela instalação dos painéis solares”.

Quanto à dimensão do espaço que poderá ser ocupado com o desfecho do leilão para a instalação da central solar fotovoltaica flutuante, Anabela Freitas deu conta que foi colocada a leilão uma potência, mas que o Governo não consegue neste momento precisar qual dimensão que vai ser ocupada, “porque depende de quem ganhar o leilão e da tecnologia utilizada”. Sendo certo que a tutela impôs limite de 60 hectares, “mas poderá ser preciso mais espaço dependendo da tecnologia utilizada pela empresa que ganhar o leilão”.

Quanto à ausência de estudo de impacto ambiental, que a edil já havia confirmado na última sessão de Assembleia Municipal, os governantes terão explicado que “compete ao concorrente que ganhar o leilão fazê-lo posteriormente ao concurso.

Refira-se que há cinco municípios da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo com ligação à albufeira de Castelo de Bode, e segundo a presidente da CM Tomar e da CIMT,  já foi equacionada uma posição conjunta, mas ficou decidido aguardar as respostas para que possa acontecer essa tomada de posição.

Segundo a edil, alguns dos municípios questionaram também o governo verbalmente, e as respostas “estão alinhadas com o que foi dito ao Município de Tomar”.

“Quero aguardar pelas respostas por escrito”, afirmou a socialista.

No caso de Castelo de Bode, a capacidade de produção em leilão de capacidade solar flutuante é de 50 megawatts em 60 hectares.

Estão em causa sete barragens, entre elas Alqueva (Portel), Castelo de Bode (Tomar), Cabril (Pedrógão Grande), Alto Rabagão (Montalegre), Paradela (Montalegre), Salamonde (Vieira do Minho), Tabuaço (Vilar, Moimenta da Beira), que totalizam em licitação 263 MW de produção.

Refira-se que já no Alto Rabagão decorreu um projeto piloto de central solar flutuante, pela EDP, que levou a outro de maior dimensão instalado no verão no Alqueva e que engloba 12 mil painéis solares que espalhados por quatro hectares do maior lago artificial da Europa.

 NOTÍCIA RELACIONADA:

Tomar | Anúncio de central solar flutuante em Castelo de Bode gera preocupação

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome