Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Domingo, Julho 25, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar: burlão condenado a um ano de cadeia

O Tribunal da Relação de Évora confirmou a condenação a um ano de cadeia de um burlão pelo crime que cometeu a 6 de dezembro de 2013 perto da agência da Caixa Geral de Depósitos na Corredoura em Tomar.

- Publicidade -

No acórdão relata-se pormenorizadamente como aconteceu a burla. Nesse dia cerca das 11 horas o indivíduo estava na agência bancária perto de um idoso quando este procedeu ao levantamento de 509,63 euros, em notas e algumas moedas.

Já na rua, o indivíduo aproximou-se da vítima, baixando-se repentinamente à sua frente, fingindo apanhar do chão um embrulho que trazia consigo.

- Publicidade -

O burlão abriu de imediato o embrulho mostrando notas de euros, que propôs dividirem pelos dois. Para tal sugeriu que o idoso juntasse o seu dinheiro ao que estava no embrulho.

Nessa altura e sem o idoso notar, o burlão trocou o embrulho com todo o dinheiro e entregou à vítima um embrulho que depois verificou serem apenas papéis.

À pressa, o indivíduo abandona o local dizendo que tem de ir ter com a filha e leva consigo o dinheiro da vítima, naquilo que é o típico conto do vigário.

No julgamento no tribunal de Tomar o burlão não se mostrou arrependido. Já tinha antecedentes do mesmo tipo de crime e argumentou com dificuldades financeiras.

Recorreu da condenação com os argumentos de que não havia testemunhas, a identificação do autor da burla não cumpria as formalidades legais e o idoso hesitou em identifica-lo quando foi confrontado com o burlão. Isto apesar de as câmaras de videovigilância da Caixa Geral de Depósitos terem registado a presença de burlão e vítima na agência.

Mesmo com estes argumentos, o tribunal da Relação confirmou a sentença: um ano de prisão e o pagamento das custas do processo.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here