PUB

Tomar | Bons Sons: 10 edições, 10 palcos e muita música. Conheça o programa!

A aldeia de Cem Soldos parece renovar-se de cada vez que ali é apresentada uma nova edição do Bons Sons. As caras e as casas são as mesmas, mas a estas juntam-se as novidades reveladas nos recantos das ruas, entre música e gastronomia. Este ano, o festival chega à décima edição e partilhamos o programa que comemora o número redondo com mais de 50 concertos em 10 palcos, entre os dias 8 e 11 de agosto.

PUB

Os primeiros festivaleiros de 2019 a chegar, muitos de tenda às costas, são recebidos na noite de 7 de agosto com a atuação dos Cosmic Mass, banda vencedora do Festival Por Estas Bandas. A partir daí são 10 os palcos invadidos pela música entre o momento da abertura com a Orquestra Filarmónica Gafanhense e a festa de encerramento com Moullinex. Quatro dias com mais de 50 concertos e diversas novidades.

Uma delas é que também se celebram os 13 anos de festival e a organização convidou 13 bandas para regressarem a Cem Soldos. Resposta afirmativa e três palcos vão receber os concertos dos Diabo na Cruz e das duplas First Breath After Coma e Noiserv, Glockenwise e JP Simões, Joana Espadinha e Benjamim, Lodo e Peixe, Sensible Soccers e Tiago Sami Pereira e Sopa de Pedra e Joana Gama.

PUB

Luísa Sobral atua no Palco Zeca Afonso. Foto: Marta D’Orey

Outra são os dois novos palcos, que receberam nomes de figuras de vulto da música nacional. O Palco António Variações vai surgir onde existiu o Palco Eira em edições anteriores e é dedicado à nova música portuguesa. Por aqui vão passar Joana Espadinha & Benjamim e X-Wife no dia 8, Scúru Fitchádo e Paraguai no dia 9, Glockenwise & JP Simões e Baleia Baleia Baleia no dia 10 e Sensible Soccers & Tiago Sami Pereira e Tape Junk no dia 11.

PUB

Palco Carlos Paredes é a nova designação do palco no interior da igreja, anteriormente conhecido por Palco MPAGDP. Este vai receber projetos musicais em que os instrumentos se reinventam e passam por aqui Francisco Sale no dia 8, Rui Souza com o projeto Dada Garbeck no dia 9, Valente Maio no dia 10 e Ricardo Leitão Pedro no dia 11.

Fora da igreja mantém-se o Palco Amália, que recebe Senza no dia 8, Afonso Cabral no dia 9, Três Tristes Tigres no dia 10 e Ricardo Toscano & João Paulo Esteves da Silva no dia 11.

Atuação ao vivo de Mano a Mano, que também atuam no festival. Foto: mediotejo.net

O Palco MPAGDP (Música portuguesa a Gostar Dela Própria) não desaparece e foi transferido para o Lagar da aldeia. Ao longo dos quatro dias recebe Carlos Batista e Vénus Matina no dia 8, Cal e Adélia no dia 9, Mil Folhas e Pequenas Espigas no dia 10 e Telma e Vozes Tradicionais Femininas no dia 11.

Um ambiente intimista igualmente encontrado no Auditório Agostinho da Silva, que é palco das propostas artísticas da Associação Materiais Diversos e das sessões de cinema das Curtas em Flagrante.

O Palco Zeca Afonso, uma das novidades da edição de 2018, apresenta-se renovado e é aqui que a Orquestra Filarmónica Gafanhense interpreta 10 temas, um por cada edição do Bons Sons, para assinalar a abertura do festival, no dia 8.

No dia 9 passam por aqui as duplas First Breath After Coma & Noiserv e Lodo & Peixe, no dia 10 é a vez de Stereossauro e Miramar e no dia 11 Luísa Sobral e Sopa de Pedra & Joana Gama.

Os X-Wife sobem ao novo Palco António Variações. Foto: mediotejo.net

Os 35.000 visitantes, número que a organização estabeleceu este ano para assegurar maior segurança e conforto (anteriormente era 40.000), vão encontrar os palcos Lopes-Graça, Giacometti e Aguardela nos locais do costume. O mesmo acontece com as atividades paralelas ao programa, pensadas para os mais novos e as famílias, que se vão realizam ao longo dos quatro dias no Armazém.

Ali perto, do outro lado da rua, as bandas emergentes voltam a ter lugar cativo no Palco Garagem.

Budda Power Blues & Maria João passam pelo Palco Lopes-Graça. Foto: Bons Sons

Na praça principal voltam a ser montados os palcos Lopes-Graça e Aguardela. Pelo primeiro passam Diabo na Cruz e Fogo-Fogo no dia 8, Budda Power Blues & Maria João e Helder Moutinho no dia 9, Tiago Bettencourt e Pop Dell’Arte no dia 10 e Júlio Pereira e Dino Santiago no dia 11.

O segundo volta a receber os últimos momentos musicais dos dias que, no dia 8 têm o ritmo do Dj João Melgueira, a 9 do Dj Narciso, a 10 do Dj Ride e a 11 o de Moullinex.

Os jornalistas durante a apresentação da décima edição do festival. Foto: mediotejo.net

O programa fica completo com os concertos no palco Palco Giacometti, no Largo de São Pedro, que simboliza a nova parceria entre o Sport Clube Operário de Cem Soldos (SCOCS) e o INATEL. Aqui atuam Raquel Ralha & Pedro Renato e Mano a Mano no dia 8, Gator, The Alligator e Sallim no dia 9, Jorge da Rocha e Tiago Francisquinho no dia 10 e Pedro Mafama e Galo Cant’ás Duas no dia 11.

Os pormenores da décima edição foram apresentados aos jornalistas na manhã que começou na praça principal se foi seguindo rumo ao lagar com direito a saborear iguarias gastronómicas e a música ao vivo de Mano a Mano e de Sallim. Foi no último local, depois das revelações que conversámos com Luís Ferreira, uma das caras mais visíveis do Bons Sons, nomeadamente sobre o Manifesto da aldeia que marca esta edição.

Tiago Bettencourt passa pelo Palco Lopes-Graça. Foto: Bons Sons

A mensagem assenta em dez pontos através dos quais Cem Soldos se define para, segundo Luís Ferreira, “se pensar o país em conjunto”: contemporaneidade do campo, plataforma cultural, planeamento do território, cidadania participativa, envelhecimento ativo, ensino em comunidade, projetos de território, ação sustentável, criação de espaço público e cultura popular. Os debates sobre o tema estão entre as atividades previstas além dos concertos, a par de vídeos comunitários, um percurso artístico e o lançamento de um livro ilustrado.

Muitas novidades a celebrar 10 edições. Um “marco simbólico” encarado com grande expetativa e orgulho pela comunidade de Cem Soldos, diz Luís Ferreira, sublinhando que “temos de estar sempre a ativar e a repensar a forma como fazemos as coisas para que elas continuarem a ser pertinentes”. No entanto, o programa não se faz apenas de novidades e traz de volta 13 dos mais de duzentos músicos que tornaram possível “viver a aldeia” de Cem Soldos desde 2006.

Apresentação do Bons Sons 2019 no Lagar. Foto: mediotejo.net

“No fundo estamos a celebrar com quem esteve connosco”, diz, referindo os concertos para os quais os artistas “foram desafiados a sair da sua bolha de conforto e a criarem algo específico”. Sete momentos entre os muitos pensados nesta décima edição para mostrar que o Bons Sons “é um festival de música portuguesa, mas não é apenas mais um festival de música portuguesa. Aqui acontece algo de especial”.

PUB
PUB
Sónia Leitão
Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).