Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Novembro 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar | Associação “Luís Boavida” nasce com fins puramente humanitários (c/vídeo e fotos)

“Só se sabe o que é saúde, quando se está doente” foi a frase que serviu de impulso à criação da Associação “Luís Boavida”, uma entidade com fins humanitários, apresentada à comunidade tomarense na manhã de sábado, 4 de novembro. “Procuraremos desenvolver mecanismos e abrir caminhos, que possam ajudar a resolver os problemas de quem nos procurar. Daí a criação desta Associação que hoje pretendo dar a conhecer, com fins puramente humanitários e sem quaisquer fins lucrativos”, disse Luís Boavida, acrescentando que vão ser desenvolvidas várias atividades e acções com vista a atingir este objectivo de cariz humanitário e social.

- Publicidade -

Luis Boavida fundou uma associação com fins humanitários após lhe ter sido diagnosticada uma doença de foro oncológico a nível cerebral Foto: mediotejo.net

A história desta associação, que tem em Luís Boavida o principal rosto, revela também a história pessoal de alguém a quem foi diagnosticado, de uma forma absolutamente repentina e sem que nada o fizesse sequer, uma doença oncológica, a nível cerebral.

- Publicidade -

Pessoa muito dinâmica e participativa na vida cultural, desportiva e associativa não só do concelho como da região, Luís Boavida foi acometido de um ataque convulsivo no dia 27 de junho, quando se encontrava com um grupo de amigos num restaurante em Tomar. Seguiu-se um internamento por vários dias e o diagnóstico. Na ocasião, Luís Boavida, era candidato à Câmara de Tomar, pelo PSD, sendo obrigado a abdicar para poder iniciar um plano de tratamentos agressivo, que ainda continua.

António Luís Costa, coordenador do conselho geral (órgão consultivo), Rui Monteiro, presidente da assembleia geral e Luís Francisco, presidente do conselho fiscal Foto: mediotejo.net

“A violência de um tal diagnóstico, a convivência com a doença e a luta diária pela vida, que eu, e os outros como eu, passamos a fazer diariamente, levam-nos a repensar todas as nossas prioridades e a encarar a vida de forma totalmente diferente”, disse Luís Boavida.

De acordo com o mesmo, a doença fez com que passasse a dar valor a muitas coisas que até aqui ignorava e a ter outra forma de encarar o sofrimento de todos os que nos rodeiam. “Nasce um novo olhar pelas necessidades e carências, nossas e dos outros, e aparecem reforçados os sentimentos de solidariedade e de generosidade”, realçou.

“Todos sabemos que as pessoas diagnosticadas com doenças oncológicas, e, cada vez são mais, muito mais, reaprendem a viver e modificam hábitos, preferências e prioridades. Porquê? Essencialmente porque o projecto máximo de vida passa a ser o lutar por ela – vida – ao mesmo tempo que se procura aliviar o sofrimento dos outros num espírito de entreajuda”, disse Luís Boavida.

Luis Boavida e a esposa, Isabel, acompanhados pelo casal de amigos Isabel e Carlos Silva Foto: mediotejo.net

Como tal, na sequência desta reflexões, referiu que nasceu no seu espírito e no da sua família, “a ideia de criar um caminho onde se possa ajudar quem precisa e minorar o sofrimento dos que sofrem. Seja por problemas de saúde, seja por carências de ordem social, económica ou familiar”.

“Pensar positivo em momentos negativos”

Nesta sessão, presenciada por muitos tomarenses, foram ainda apresentados os principais responsáveis de cada um dos órgãos da associação: António Luís Costa, coordenador do conselho geral (órgão consultivo), Rui Monteiro, presidente da assembleia geral, e Luís Francisco, presidente do conselho fiscal. Todos intervieram apresentando as suas razões para aderirem ao projeto.

O padre Mário Duarte Farinha (à direita) fez questão de dizer algumas palavras, elogiando os propósitos desta associação que passam por ajudar o próximo Foto: mediotejo.net

O Padre Mário Duarte, que fez a benção da associação, referiu que os laços de amizade com Luís Boavida fortaleceram-se nos últimos anos, congratulando-se por na sala estarem presentes pessoas de todos os quadrantes políticos e sociais. “Há qualquer coisa de fundamental que une crentes e não crentes: o amor pelos outros”, disse.

As características humanas do fundador desta associação foram ainda destacadas por outros intervenientes. “O Luís Boavida é uma pessoa afável, com um sorriso sempre na cara, com quem é agradável estar. É uma pessoa de iniciativas e ao tomar a iniciativa e fazer tem uma característica de que é as coisas aparecerem feitas. Estas características vão-se plasmar nesta associação pelo que creio que estas necessidades na sociedade que, muitas vezes não são resolvidas pelo Estado ou empresas, podem ser resolvidas por este tipo de associações”, disse Luís Francisco.

Já Rui Monteiro, visivelmente emocionado, considera que a questão que merece reflexão passa por “como pensar positivo em momentos negativos, não tendo pena de nós próprios e centrarmos a nossa atenção naqueles que nos rodeiam e também passam por dificuldades e que pode ser libertador”.

Para Rui Monteiro, a constituição desta associação solidária acaba por ser o espelho da forma de Luís Boavida estar na vida pública. “A sua participação na vida associativa, cultural e desportiva ao longo dos anos e a sua preocupação com iniciativas e causas solidárias é prova disso”, atesta.

Foram muitos os tomarenses que assistiram à apresentação da Associação Luís Boavida Foto: mediotejo.net

O primeiro projecto foi apresentado ainda neste dia, pelo personal trainer Nuno Costa. “We Are The World” consiste em caminhadas às quartas-feiras e aos sábados de manhã onde se recolhem donativos para apoiar as crianças do CAT – Centro de Apoio Temporário. Na mesa, foi colocado um mealheiro, com os presentes a contribuírem para esta causa, a primeira da Associação Luís Boavida.

No final da sessão, eisivelmente emocionado, Luís Boavida agradeceu a presença de todos, referindo que neste dia era um homem que se encontrava de “coração cheio”.

Tomar – Luís Boavida apresenta Associação para apoiar pessoas carenciadas

Publicado por mediotejo.net em Sábado, 4 de Novembro de 2017

 

Aos 12 anos já queria ser jornalista e todo o seu percurso académico foi percorrido com esse objetivo no horizonte. Licenciada em Jornalismo, exerce desde 2005, sempre no jornalismo de proximidade. Mãe de uma menina, assume que tem nas viagens a sua grande paixão. Gosta de aventura e de superar um bom desafio. Em maio de 2018, lançou o seu primeiro livro de ficção intitulado "Singularidades de uma mulher de 40", que marca a sua estreia na escrita literária, sob a chancela da Origami Livros.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome