Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quinta-feira, Julho 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tomar: A tradição do Cortejo da Aleluia é tema de conversa em Cem Soldos

Este domingo, dia 13, a tradição do Cortejo da Aleluia, uma celebração típica de Cem Soldos que comemora a ressurreição de Jesus Cristo, vai ser o tema da primeira conversa “Se Cá Nevasse Fazia-se Cá Ski”, organizada pelo Sport Clube Operário de Cem Soldos.

- Publicidade -

Esta conversa pretende recordar esta tradição cem-soldense através de vídeos, fotos e memórias registadas em cada domingo de Páscoa. As cruzes feitas com canas, as flores, as pessoas, os episódios, as memórias mais longínquas, são temas que vão preencher uma tarde de conversa, na sede SCOCS.

A partir das 15h, Cem Soldos “recebe os protagonistas, historiadores e todos os que se queiram juntar à conversa. Vários amigos cá da terra vão falar das suas visões e experiências”, refere a SCOCS.

- Publicidade -

“Nesta primeira conversa partilham-se os relatos de quem viu o Cortejo da Aleluia há 50 ou 60 anos atrás, o que se dizia sobre as suas origens, e o que é que mudou ao longo dos tempos. Prevê-se uma conversa animada pela participação de pessoas de várias gerações, e pelos episódios mais relevantes da história desta tradição da aldeia”, refere a SCOCS.

Este ciclo de conversas é desenvolvido pela Associação SCOCS, com o objetivo de celebrar as memórias e as tradições da aldeia de Cem Soldos. “Em cada sessão dá-se destaque a um grupo de habitantes da aldeia como oradores principais e contadores das suas estórias, proporcionando-se momentos de aprendizagem informal e de convívio. Estes testemunhos são ainda contextualizados por convidado especialista na temática do dia”, salienta a SCOCS.

A valorização das tradições e da cultura da aldeia de Cem Soldos é um objetivo central da associação. As experiências e memórias da comunidade constroem a identidade do local e reforçam as relações comunitárias que fazem das aldeias locais especiais para se viver.

 

Entrou no mundo do jornalismo há cerca de 13 anos pelo gosto de informar o público sobre o que acontece e dar a conhecer histórias e projetos interessantes. Acredita numa sociedade informada e com valores. Tem 35 anos, já plantou uma árvore e tem três filhos. Só lhe falta escrever um livro.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome