Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

Sábado, Outubro 23, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

“Tira de toucinho”, por Armando Fernandes

Mafoma abominava o toucinho fosse em tiras estreitas ou largas, ao contrário, aves, caça, carnes de vaca, vitela, borrego, vários peixes preparados inteiros, não só apreciam a gordura untuosa e gulosa, como ganham sapidez quando as ditas tiras lardeiam as peças a assar, protegendo-as da vivacidade do calor do forno.

- Publicidade -

Seja no Portugal urbano, seja no rural, as cozinheiras e cozinheiros não fundamentalistas ao ponto a que tudo quanto cheire ou saiba a animais, sabem quão beneficiam as referidas peças a assarem no forno se forem aconchegadas pelas suculentas tiras, no entanto, manda a experiência que as mesmas não acompanhem até à finalidade da assadura de carnes mimosas em virtude da sua gordura prejudicar o gosto da ternura daquilo que envolvem.

No momento dos assados estarem no ponto as estreitas tiras de toucinho são retiradas para de seguida serem colocados sobre as mesas a fim de saciarem quem os vai comer.

- Publicidade -

Importa referir que o inimigo de Mafoma na forma de tiras atapeta recipientes nos quais se vão cozinhar produtos na forma de estufados, o objectivo é sempre o mesmo: conseguir-se que os referidos peixes, as aves, as carnes se apresentem livres daquilo que muitas vezes sucede – ressequidas –, desenxabidas, ao modo de solas descritas na Nau Catrineta.

Vale a pena ler este poema capaz de merecer as iras censórias da deputada que dizem ser historiadora empenhada no apagamento dos painéis alusivos aos descobrimentos que se mostram no salão da Assembleia da República. A senhora chama-se Katar Moreira.

O toucinho em tiras é também guloseima de truz no recheio de pastéis e terrinas de acepipes apresentados como entradas.

Armando Fernandes é um gastrónomo dedicado, estudioso das raízes culturais do que chega à nossa mesa. Já publicou vários livros sobre o tema e o seu "À Mesa em Mação", editado em 2014, ganhou o Prémio Internacional de Literatura Gastronómica ("Prix de la Littérature Gastronomique"), atribuído em Paris.
Escreve no mediotejo.net aos domingos

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome