Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Setembro 20, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Economia | Tejo Ambiente toma medidas para sair de buraco financeiro

Depois de ter apresentado resultados negativos a rondar os 2.2 milhões de euros do exercício de 2020, a empresa intermunicipal Tejo Ambiente prossegue na atividade de 2021 a negativos. Segundo o relatório da informação económico-financeira referente ao primeiro trimestre de 2021, submetido para conhecimento a reunião de Câmara Municipal de Tomar, foram já levantadas propostas para reequilibrar as contas da empresa, tendo sido iniciada a revisão do estudo de viabilidade económico-financeiro (EVEF) que continha erros que contribuíram para os resultados negativos, conforme justificado anteriormente pela autarca Anabela Freitas. Crê-se que o novo estudo vá produzir efeitos em 2022 no equilíbrio de contas. Por outro lado, a empresa vai também começar a atuar junto dos clientes perante os avultados valores que têm ficado em dívida.

- Publicidade -

“Há aqui um conjunto de propostas que fazemos para reequilibrar a Tejo Ambiente, que passa pela revisão do EVEF, que já está neste momento a ser feito”, começou por referir Anabela Freitas na última reunião de Câmara Municipal de Tomar.

ÁUDIO | Anabela Freitas, presidente da Câmara Municipal de Tomar, que preside ao Conselho de Administração da Tejo Ambiente

- Publicidade -

Outra das medidas consiste em renegociar com as Águas do Vale do Tejo, um dos grandes credores da empresa, para elaborar um plano de pagamentos e que o mesmo inicie em janeiro de 2022, quando o novo EVEF estará em vigor.

Por outro lado, pretende-se renegociar os contratos dos seis municípios que integram a Tejo Ambiente, uma vez que cinco são clientes das Águas do Vale do Tejo e cada um tinha um contrato individual. “Em alguns desses municípios existiam consumos mínimos e, independentemente de se comprar ou não água, tinham de ser pagos os consumos. Pretendemos renegociar um contrato único. Há abertura para isso e acreditamos que vamos ter condições mais vantajosas”, explicou.

Outras medidas propostas, para entrar em vigor e já aprovadas em Assembleia Geral da Tejo Ambiente, prendem-se com campanhas de substituição de contadores, pois “muitos dos contadores são antigos e não contam o que deveriam”, além de novos contratos domésticos, ligações não domésticas e novos ramais de saneamento, que “derivam do término de um conjunto de obras que estão a decorrer”, pelo que vão entrar também “mais clientes no sistema”.

Para Tomar prevê-se iniciar “a telemetria com 32 grandes clientes” no concelho, para “uma gestão mais eficiente sobretudo no subsetor da água”.

Anabela Freitas notou que se continua “com perdas de água muito elevadas, porque os investimentos na eficiência hídrica ainda não estão todos em produção, é algo que demora algum tempo a conseguir-se obter resultados”.

Por outro lado, assumiu a edil, terá de existir “uma atuação mais direta junto do cliente” perante as dívidas existentes à Tejo Ambiente. “Em Tomar, aquilo que são as dívidas de clientes à empresa (domésticos, não-domésticos, públicos e privados) ascende a um milhão de euros em 31 de março. É muito. A 21 de maio essa dívida era de 519 mil euros”, disse, notando que a segunda dívida à data de 21 de maio é de Ferreira do Zêzere, com 78 mil euros de dívida.

“A água é um bem escasso, e vamos ter que atuar. As pessoas têm que pagar o que consomem”, afirmou Anabela Freitas.

Outros procedimentos estão previstos para “alinhar” as seis Câmaras Municipais para que “todos levem na mesma semana aos órgãos executivos e deliberativos os assuntos, para não haver delays“.

Quanto à revisão do EVEF, crê-se que as contas irão ficar equilibradas já em 2022 com a sua entrada em vigor.

“É um desafio, vamos ver… estamos a fazer o melhor”, terminou a edil.

A informação económico-financeira da Tejo Ambiente referente ao primeiro trimestre de 2021 segue para tomada de conhecimento em Assembleia Municipal, cuja próxima sessão ordinária se realiza a 30 de junho.

NOTÍCIA RELACIONADA

Câmara de Tomar obrigada a contribuir com 812 mil euros face aos 2.2 ME negativos da Tejo Ambiente (c/ÁUDIO)

Formada em Jornalismo, faz da vida uma compilação de pequenos prazeres, onde não falta a escrita, a leitura, a fotografia, a música. Viciada no verbo Ir, nada supera o gozo de partir à descoberta das terras, das gentes, dos trilhos e da natureza... também por isto continua a crer no jornalismo de proximidade. Já esteve mais longe de forrar as paredes de casa com estantes de livros. Não troca a paz da consciência tranquila e a gargalhada dos seus por nada deste mundo.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome