Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Quarta-feira, Julho 28, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Tancos | Contra a exoneração dos comandantes, oficiais vão protestar na Presidência da República

A exoneração temporária de cinco comandantes ligados ao processo do roubo de material de guerra em Tancos pelo Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), General Rovisco Duarte, motivou o e-mail que corre entre militares a convocar os oficiais do Exército para uma manifestação no Palácio de Belém na próxima quarta-feira, dia 5 de julho.

- Publicidade -

- Publicidade -

À indignação gerada pelo anúncio feito pelo CEME no noticiário da RTP, no sábado passado, junta-se a relacionada com o silêncio de Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas, sobre a quebra de segurança verificada nos paióis de Tancos. O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, também é visado no protesto.

O e-mail inclui indicações para que os manifestantes se apresentem fardados com o uniforme nº1 e os crachás da especialidade, sem condecorações. A lista inclui, igualmente, as espadas – que serão simbolicamente depostas à porta da residência oficial do Presidente da República, nesta ação que terá início na zona da Torre de Belém, às 11h30.

- Publicidade -

A manifestação segue em marcha silenciosa até ao Palácio de Belém, residência oficial do Presidente da República, onde os oficiais pretendem exigir a exoneração do General Rovisco Duarte e do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, General Pina Monteiro.

Outro objetivo do protesto é o pedido de recondução dos militares exonerados e a exigência de um pedido formal de desculpas pela exoneração que o CEME justificou no sábado passado “por uma questão de clareza e para não interferirem com o processo de averiguações até se esclarecer”.

Os comandantes exonerados foram os da Unidade de Apoio da Brigada de Reação Rápida, Tenente-Coronel David Correia, do Regimento de Infantaria 15, Coronel Ferreira Duarte, do Regimento de Paraquedistas, Coronel Hilário Peixeiro, do Regimento de Engenharia 1, Coronel Paulo Almeida, e da Unidade de Apoio de Material do Exército, Coronel Amorim Ribeiro.

O roubo detetado na passada quarta-feira foi confirmado pelo Exército no dia seguinte, em comunicado, e gerou reações dos diversos quadrantes políticos, levando ao requerimento de uma audição do ministro da Defesa Nacional no Parlamento por diversos partidos.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva, o primeiro-ministro, António Costa, e o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pronunciaram-se esta segunda-feira sobre o furto, partilhando a preocupação pela gravidade da situação.

A imprensa espanhola refere a possibilidade destas armas terem sido roubadas por um grupo de traficantes internacionais mas não está também afastada a possibilidade do armamento desaparecido estar nas mãos de grupos terroristas.

A investigação está a cargo da Polícia Judiciária Militar e da Unidade de Contraterrorismo e Crime Organizado da Polícia Judiciária.

O jornal El Espanol divulgou a lista de todo o material que terá sido roubado de Tancos

450 cartuchos de 9 mm
22 Bobinas de fio para activação por tracção
1 Disparador de descompressão
24 Disparadores de tracção lateral multidimensional inerte
6 Granadas de mão de gás lacrimogéneo CS / MOD M7
10 Granadas de mão de gás lacrimogéneo CM Anti-motim M / 968
2 Granadas de mão de gás lacrimogéneo Triplex CS
90 Granadas de mão ofensivas M321
30 Granadas de mão ofensivas M962
30 Granadas de mão ofensivas M321
44 Granadas foguete antitanque carro 66 mm com espoleta M4112A1 com lançamento M72A3-M/986 LAW
264 Unidades de explosivo plástico PE4A
30 CCD10 (Carga de corte)
57 CCD20 (Carga de corte)
15 CCD30 (Carga de corte)
60 Iniciadores IKS
30,5 Lâminas KSL (Lâmina explosiva)

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome