Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sábado, Julho 31, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

TAGUS | Três anos a valorizar os produtos locais de Constância e Sardoal

O Cá da Terra, em Sardoal, e a Camões com Sabor, em Constância, completam três anos de existência, a 6 e a 7 de dezembro, respetivamente. Durante este período de tempo, os espaços têm ajudado a promover e a escoar os produtos e o artesanato da região.

- Publicidade -

Vinhos, azeites, queijos, enchidos, compotas, mel, doces, marmeladas, bolachas, cervejas artesanais e artesanato são os produtos que os espaços, da TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior em parceria com os Municípios de Sardoal e Constância, comercializam e valorizam através de oficinas temáticas, degustações, demonstrações culinárias e outros eventos promocionais.

Divulgar a qualidade dos produtos e promover o que de melhor se produz na região, estimulando a atividade económica das pequenas empresas locais e ajudando-as a complementar o seu rendimento familiar, são os objetivos das entidades envolvidas neste projeto que destacam ainda a importância de impulsionar o “sentimento de pertença” da população.

- Publicidade -

A TAGUS em conjunto com os espaços de promoção e os produtores, uma vez mais, prepararam algumas sugestões de oferta de Natal para empresas e comunidade em geral. As 10 propostas variam entre os 20 e 70 euros e contemplam vinhos, azeites, queijos, enchidos, compotas, mel, doces, marmeladas, bolachas e cervejas artesanais, produzidos em Abrantes, Constância e Sardoal. Os preços destes artigos são os mesmos praticados pelos produtores aos consumidores finais.

camoes_com_sabor

O catálogo pode ser consultado em www.tagus-ri.pt e nos espaços em Sardoal, Constância e no Welcome Center, em Abrantes. As encomendas devem ser feitas através do email tagus@tagus-ri.pt ou pelo telefone 241 330 330.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome