Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sexta-feira, Julho 30, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Taça do Ribatejo | Vitória nos penaltis sobre União de Tomar catapulta Rio Maior para final inédita

RIO MAIOR SPORT CLUBE 0 – UNIÃO FUTEBOL COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TOMAR 0 (4-2 g.p.)
Taça do Ribatejo – Meia Final
Estádio Municipal de Rio Maior
20-06-2021

- Publicidade -

O Estádio Municipal de Rio Maior recebeu no final da tarde de domingo, 20 de junho, um jogo que suscitava grande expectativa. Disputava-se uma das meias finais da Taça do Ribatejo e ambas as equipas perseguiam um lugar para a final da competição.

Estádio Municipal de Rio Maior.

- Publicidade -

Se para o União de Tomar a presença numa final não é inédita, este ano ganhava especial relevância já que o campeonato, algo modesto, não poderia deixar satisfeitos os responsáveis pelo clube.

Para o clube de Rio Maior seria algo histórico até pela sua génese recente. Apesar do jogo se disputar no excelente relvado da Cidade do Desporto ninguém assumia o favoritismo.

Jogo dividido em Rio Maior.

As equipas apresentaram uma matriz diferente com o Rio Maior a alinhar com jogadores maioritariamente muito jovens e o Tomar com alguma veterania, sendo que Nuno Ribeiro e o capitão Nuno Rodrigues faziam aqui a sua despedida como jogadores.

O desafio começou em bom ritmo, a prometer coisas boas. Logo no terceiro minuto, os da casa ensaiaram uma bonita jogada de envolvimento culminada com um forte remate de Rodrigo Quaresma que embateu num defensor e saiu pela lateral.

Responderam os unionistas de livre, numa jogada estudada que não foi bem executada, perdendo-se o esférico pela linha de fundo.

Livres levaram perigo à baliza de Sardinha.

Foi também de livre que o União de Tomar voltou a ameaçou a baliza de João Sardinha. Aos oito minutos o livre, batido forte, ficou na barreira e permitiu aos donos da casa contra atacar, com Rodrigo Quaresma a descobrir Alex Diliberto que rematou ao poste.

Acreditavam os riomaiorenses e de facto estavam mais perto de marcar. Na sequência duma reposição lateral o capitão Arnaldo Ferreira rematou de primeira e só uma enorme defesa de Nuno Ribeiro evitou o golo. Que voo para um altíssimo momento de futebol!

Remate de Arnaldo Ferreira levava o selo mas na baliza estava Nuno Ribeiro.

O União de Tomar reagiu e à passagem do quarto de hora e, na transformação dum pontapé de canto, viu o defesa Rhuan Terra cabecear para a sua própria baliza. Com João Sardinha batido a bola esbarrou no poste e o lance perdeu-se.

Numa alternância curiosa eram agora os nabantinos a “mandarem” no jogo. Aos 18 minutos foi Cláudio Major a ensaiar um remate de meia distância que passou muito perto do poste.

Avançados nabantinos trabalharam muito mas ficaram em branco.

Os da casa sacudiram a pressão e aos 21 minutos foram até próximo da área contrária onde o capitão Nuno Rodrigues foi obrigado a recorrer a uma falta cirúrgica que lhe valeu a amostragem do cartão amarelo.

O livre passou perto da baliza de Nuno Ribeiro. Cinco minutos depois, Aroldo Arruda, perto da área dos visitados, jogou manualmente e permitiu mais um livre para o União. Novo livre ensaiado, sem ninguém a dar seguimento e a bola a perder-se pela linha de fundo.

Perto da meia hora de jogo o Rio Maior assumiu um ataque organizado bem gizado com Alex Diliberto a disparar contra um defesa e a ganhar um canto.

Quando sacudiram a pressão riomaiorenses apoderaram-se do jogo.

Aos 31 minutos uma entrada “de sola” de Rhuan Terra sobre Cláudio Major dentro da área gerou alguma contestação mas o árbitro João Veríssimo terá entendido que o jogador brasileiro terá jogado primeiro a bola. Pareceu-nos uma avaliação correta e os protestos fora poucos…

A alternância ia-se mantendo quando se caminhava rapidamente para o intervalo. Aos 37 minutos Aroldo Arruda correspondeu a um cruzamento do lado esquerdo e rematou de primeira de pé direito. Saiu muito perto do poste da baliza tomarense.

No minuto seguinte, numa rápida transição, o Rio Maior ganhou um canto e na conversão Rhuan Terra obrigou Nuno Ribeiro a nova defesa de qualidade.

No jogo de despedida Nuno Ribeiro assinou enorme exibição.

Com cinco minutos para jogar no primeiro tempo Siaka Bamba testou a meia distância. Conseguiu um remate forte e traiçoeiro, a bola bateu à frente do guarda redes João Sardinha, que a largou. Um defesa completou o alívio pela lateral.

No minuto seguinte o União de Tomar executou uma transição rápida, com várias unidades, obrigando Arnaldo Ferreira a “parar” o jogo, evitando males maiores. Valeu-lhe o amarelo.

O intervalo chegou com novo remate de Siaka Bamba desta vez para longe do alvo.
Resultado justo no descanso pela qualidade de jogo das equipas, alternância nas iniciativas e oportunidades de golo. Elevada expectativa para o segundo tempo.

Alternância nas iniciativas e oportunidades de golo.

Apesar do jogo prometer muito nem o descanso alterou a disposição das equipas. Mantendo os jogadores que saíram para o descanso e os desenhos táticos, não se poderiam esperar grandes mudanças na matriz do jogo. E a alternância manteve-se.

Tomou a iniciativa a equipa riomaiorense e logo no recomeço Ricardo Carloto subiu toda a ala esquerda e cruzou com boa conta. A defesa nabantina levou a melhor.

As equipas exploravam agora as alas com maior frequência e os tomarenses conduziram uma ação atacante pela direita culminada com um cruzamento atrasado para Hélio Ocante. O guarda redes Sardinha mostrou-se atento, antecipou o lance e amarrou.

Guarda redes mantiveram redes invioladas.

No minuto seguinte, o 50º, Tiago Vieira conduziu um lance semelhante ao anterior, cruzou atrasado para Cláudio Major que rematou de primeira. O guarda redes João Sardinha voltou a mostrar segurança e amarrou.

A resposta dos comandados de Vitor Alexandre demorou apenas quatro minutos. Alex Diliberto subiu pela ala esquerda e cruzou para o segundo poste onde surgiu Rodrigo Quaresma a cabecear ao lado.

Pouco depois a equipa da Cidade do Desporto beneficiou dum livre que a defensiva nabantina aproveitou para sacudir e lançar a corrida de Luís Alves. Entrou na área, enquadrou-se mas demorou demasiado tempo a rematar permitindo a intervenção dum defesa contrário. Oportunidade soberana desperdiçada pelos unionistas…

Luís Alves desperdiçou a melhor ocasião do Tomar.

Com uma hora jogada um cruzamento de Aroldo Arruda cruzou toda a área sem que Rodrigo Quaresma lhe chegasse. Do outro lado Alex Diliberto tentou devolver a Aroldo mas foi-lhe assinalado impedimento por posição irregular.

Os riomaiorenses voltavam a estar melhor no jogo e aos 66 minutos, numa reposição lateral para a área, Arnaldo Ferreira encheu o pé mas na baliza estava um Nuno Ribeiro ao mais alto nível. Aroldo Arruda simula uma grande penalidade na área dos tomarenses, arriscando o amarelo.

Aos 70 minutos, na transformação dum pontapé do quarto de círculo do lado esquerdo do ataque riomaiorense, Alex Diliberto fez o esférico sobrevoar toda a área e embater na trave, com Nuno Ribeiro e toda a defensiva batida.

Diliberto ia marcando de canto direto.

Continuavam mais ativos os da casa parecendo o União de Tomar com alguma debilidade física. Aos 72 minutos, um cruzamento apanhou Aroldo Arruda ao segundo poste. Rematou de primeira, longe do alvo.

Dois minutos depois, Geraldino cometeu falta passível de sanção disciplinar. “Amarelado” desde o meio da primeira parte viu ser-lhe mostrado o respetivo vermelho. Em inferioridade numérica o Rio Maior optou por recuar um pouco as linhas, arriscando menos.

Dureza mas muito fair play.

Foi o tempo do União de Tomar tentar resolver as coisas a seu favor. O melhor que conseguiu foi, no livre resultante da entrada de Geraldino, obrigar Sardinha a defesa apertada, à segunda.

No último minuto da etapa complementar Hélio Ocante cabeceou para Sardinha agarrar, ainda que carregado por Chrystian Pedroso. Falta atacante e cinco minutos de compensação, onde nada se alterou.

Nos regulamentares pontapés da marca da grande penalidade o Rio Maior foi mais competente

Nos regulamentares pontapés da marca da grande penalidade o Rio Maior foi mais competente, marcando quatro através de Arnaldo Ferreira, Alex Diliberto e Aroldo Arruda. Rhuan Terra falhou, dando alguma esperança aos unionistas mas Jarimba não falhou e colocou o Rio Maior na Final da Taça do Ribatejo.

No União Tiago Vieira e Leandro falharam as duas primeiras penalidades hipotecando o apuramento apesar dos remates certeiros de Chrystian Pedroso e Hélio Ocante.

O União de Tomar falou o apuramento nas grande penalidades

Num jogo interessante, onde faltaram golos, a lotaria das grandes penalidades também exige competência. Ganhou a equipa mais competente. Boa arbitragem duma equipa coesa e com valor para outros voos.

Boa arbitragem de João Veríssimo.

A Final da Taça do Ribatejo irá ser jogada no Estádio Municipal do Cartaxo no dia 27 de junho às 11 horas, entre o Rio Maior e a Glória do Ribatejo.
Esta inédita Final irá ter público nas bancadas e transmissão televisiva no Canal 11.

Ficha do jogo:

RIO MAIOR SPORT CLUBE:
Joo Sardinha, João Lopes, Ricardo Carloto, Geraldino, Rodrigo Quaresma (André Justino), Alex Diliberto, Arnaldo Ferreira, Ibraimo Wilker (Jarimba), Rhuan Terra, Ricardo Lamy e Aroldo.
Suplentes não utilizados: Abílio Ventura, Iury Lima, Afonso Silva, João Sousa e Francisco Pereira.
Treinador: Vitor Alexandre.

Rio Maior Sport Clube.

UNIÃO FUTEBOL COMÉRCIO E INDÚSTRIA DE TOMAR:
Nuno Ribeiro, David Vieira (Douglas), Nuno Rodrigues, Filipe Cotovio, Ricardo Simões (Fábio Luzio), Siaka Bamba, Tiago Vieira, Luís Alves (Rafa Leite), Leandro, Hélio Ocante e Cláudio Major (Chrystian Pedroso).
Suplentes não utilizados: Ivo Cristo, Tiago Luzio e Diogo Ismail.
Treinador: Filipe Pinto.

União Futebol Comércio e Indústria de Tomar.

EQUIPA DE ARBITRAGEM:
João Veríssimo, Nuno Martins e Vasco Pinhão.

DISCIPLINA
Cartão amarelo: Geraldino e Arnaldo Ferreira (Rio Maior); Nuno Rodrigues, Siaka Bamba e Cláudio Major (U.Tomar)
Cartão vermelho por acumulação: Geraldino (Rio Maior).

Equipa de Arbitragem: João Veríssimo, Nuno Martins e Vasco Pinhão com os capitães.

No final ouvimos os técnicos de ambos os emblemas e ainda o presidente do União de Tomar, Abel Bento, que fez um balanço da temporada e projetou a próxima época.

VITOR ALEXANDRE (Rio Maior):

Vitor Alexandre, treinador do Rio Maior.

FILIPE PINTO (União de Tomar):

Filipe Pinto, treinador do União de Tomar. Foto: mediotejo.net

ABEL BENTO (Presidente do União de Tomar):

Abel Bento, presidente do U.Tomar.

*Com David Belém Pereira (multimédia).

Nasceu a 30 de Janeiro de 1961 em Lisboa e cresceu no Alentejo, em Santiago do Cacém. Dali partiu em 1980 para ingressar no Exército e no Curso de Enfermagem. Foi colocado em Santa Margarida e por aqui fez carreira acabando por fixar-se no Tramagal em 2000. A sua primeira ligação à Vila "metalúrgica" surge em 1988 como Enfermeiro do TSU. Munido da sua primeira câmera digital, em 2009 e com a passagem à situação de reserva, começou a registar a fauna do Vale do Tejo, a natureza e o património edificado da região, as ruas, as pessoas... Com colaborações regulares em jornais da região e nacionais este autodidata acaba por conseguir o reconhecimento público, materializado em alguns prémios. Foi galardoado na 8ª Gala de Cultura e Desporto de Tramagal na categoria de Artes Plásticas (Fotografia) em 2013.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome