Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Trincanela

Quinta-feira, Julho 29, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Trincanela

“Subsídios de férias com faturas”, por Hália Santos

Então, já estás com os pés de molho?

- Publicidade -

Ainda a caminhar para a água. Esta coisa de entrar de férias tem o seu tempo de adaptação. Mas, sim, os sítios e as rotinas já são diferentes. Sabe bem…

Fico sempre na dúvida se é melhor gozar as férias todas seguidas ou se é preferível ir tirando uns dias e fazendo miniférias ao longo do ano.

- Publicidade -

Depende sempre do tipo de emprego tens. Basta pensar em duas situações completamente diferentes: há quem tenha que tirar todo o mês de agosto de seguida, há quem não possa tirar férias em agosto… E o mais certo é que ninguém esteja satisfeito com a sua situação.

Verdade! É a velha história de nunca estarmos satisfeitos com o que tempos. Pior mesmo é para quem nem sequer consegue tirar férias ou para quem nem tem férias por também não ter trabalho no resto do ano… Isso é que é complicado! O resto interessa pouco.

É uma questão de relativizar as coisas. Normalmente, não somos muito bons nisso. Temos uma certa tendência para achar que o nosso mal é o pior do mundo. E raramente é!

A propósito das férias, apetece-me fazer uma comparação entre os veraneantes e os estudantes. É uma comparação tonta, eu sei, mas é o que me vem à cabeça quando vejo praias cheias, hotéis lotados e fotografias de gente em férias nas redes sociais… Vêm-me à cabeça aqueles que criticam os estudantes quando dizem que não têm dinheiro e depois vão para noitadas de copos. Apetece-me comparar essa situação com as pessoas que se queixam da crise, mas depois fazem férias a sério.

Comparação tonta, de facto…

Calma! Não expliquei! Cá por mim não vejo qualquer problema em que os estudantes que têm pouco dinheiro, uma vez por outra, vão para uma noitada de copos. Faz parte. A vida académica é um conjunto de coisas. Tem que haver tempo e oportunidade para tudo. Por isso, também não me choca que pessoas que vivem com pouco dinheiro não abdiquem de gozar as suas férias. Mais uma vez, faz parte. Por alguma razão se criaram as férias e se atribui um subsídio de férias.

É tudo uma questão de recarregar baterias, encontrar equilíbrios, respirar fundo para que os restantes 11 meses sejam mais tranquilos e mais produtivos.

É isso mesmo! E já que estamos em maré de ideias tontas – como aquela coisa do IMI – por que é que o Estado e os patrões não exigem que quem recebe subsídio de férias o gaste mesmo em férias? Deviam ser obrigados a apresentar as faturas!!!

Excelente ideia! Vamos lá sugerir que se proíbam os trabalhadores de gastar o subsídio de férias no seguro do carro, num frigorífico novo, na pintura do muro de casa ou na ‘limpeza’ do cartão de crédito. Vamos fazer uma campanha nas redes sociais? Sempre agitávamos esta silly-season J

Professora e diretora da licenciatura em Comunicação Social da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes (ESTA), do Instituto Politécnico de Tomar, doutorou-se no Centre for Mass Communications Research, da Universidade de Leicester, no Reino Unido. Foi jornalista do jornal Público e da Rádio Press. Gosta sobretudo de viajar, cá dentro e lá fora, para ver o mundo e as suas gentes com diferentes enquadramentos.
Escreve no mediotejo.net à quinta-feira.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome