Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Quarta-feira, Outubro 27, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | ‘Verdes’ questionam Governo sobre poluição na Ribeira do Amioso

O deputado José Luís Ferreira, do Grupo Parlamentar ‘Os Verdes’, entregou na Assembleia da República uma pergunta em que questiona o Governo, através do Ministério do Ambiente, sobre o “manto de espuma que recorrentemente cobre um troço do curso de água na Ribeira do Amioso”, na Sertã.

- Publicidade -

Na pergunta, o Partido Ecologista ‘Os Verdes’ refere que tem sido “constantemente alertado por cidadãos locais para a crescente poluição na Ribeira do Amioso”, que atravessa a Vila da Sertã, no distrito de Castelo Branco, tendo referido que no passado dia 15 de outubro “era novamente visível um enorme manto de espuma branca ao longo do curso de água”, um episódio que, acrescenta, “acontece com maior frequência em épocas com elevados níveis de precipitação, tal como tem acontecido nos últimos dias”.

No documento, aquele partido diz que “não se trata apenas de uma situação de poluição aquática, mas sim de um atentado ao meio ambiente e um perigo para a Saúde Pública”, questionando o Ministério do Ambiente se “tem conhecimento do manto de espuma que recorrentemente cobre um troço do curso de água na Ribeira do Amioso, na Sertã” e “que medidas foram tomadas anteriormente para que esta situação não ocorresse novamente”.

- Publicidade -

‘Os Verdes’ questionam ainda “quantos focos de possíveis poluidores foram identificados a jusante da Vila da Sertã e quantos foram advertidos para os riscos das suas atividades no meio-ambiente”, para além de querer saber “quantas contraordenações ambientais foram aplicadas no Concelho da Sertã no período compreendido entre os anos 2010 e 2018” e, “destas, quantas deram origem a coimas”.

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome