Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Segunda-feira, Julho 26, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã: Saborear cerveja artesanal ao som de Kumpania Algazarra, Texabilly Rockets e Lazy Funkers

A terceira edição do PROVART – Festival de Cerveja Artesanal leva mais de 80 rótulos de cerveja artesanal produzida no país à Alameda da Carvalha a partir de hoje e até domingo, dia 7 de agosto. Um argumento de peso para passar na Sertã fortalecido por animação de rua, concertos, provas comentadas, workshops gratuitos e produtos locais.

- Publicidade -

O festival dedicado às cervejas artesanais portuguesas tem início esta sexta-feira, dia 5, e a Alameda da Carvalha é animada no primeiro dia pela música world, balkan, ska-reggae, afro-beat e fusion dos “Kumpania Algazarra”. A banda cede a rua aos “Texabilly Rockets” quando o grupo subir ao palco com os sons do rockabilly, assegurados em conjunto com os blues pelos “Nightmare & the Wolfmen Trio” ao final da noite.

O teatro junta-se à festa no sábado com as personagens “Os Rurais” e dois espetáculos de rua de “Leo, Belita e Filhos – Magic” intercalados por uma prova comentada das Cervejas BrewDog. Depois de jantar provam-se o funk e rock dos “Lazy Funkers”, o reggae dos “Chapa Dux” e os sons imprevistos da Jam Session.

- Publicidade -

A animação de rua continua no último dia do PROVART, pouco antes de uma prova comentada, desta vez sobre Cervejas do Mundo, por Pedro Novo, da Original 1920. A música chega depois com um DJ do concelho, o DJ Odir, cujas sessões são intercaladas pelos covers com origem no pop-rock interpretados pela banda “Menos Óbvio”.

Os amantes da cerveja artesanal podem ainda aprender a fazer a sua própria cerveja a partir de grãos de cevada, lúpulo, levedura e outros ingredientes nos workshops gratuitos. Por sua vez, os amantes dos produtos locais têm oportunidade de visitar os stands com iguarias e artesanato.

Nasceu em Vila Nova da Barquinha, fez os primeiros trabalhos jornalísticos antes de poder votar e nunca perdeu o gosto de escrever sobre a atualidade. Regressou ao Médio Tejo após uma década de vida em Lisboa. Gosta de ler, de conversas estimulantes (daquelas que duram noite dentro), de saborear paisagens e silêncios e do sorriso da filha quando acorda. Não gosta de palavras ocas, saltos altos e atestados de burrice.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here