Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Terça-feira, Setembro 21, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Recital e Concerto de Natal na Casa da Cultura

Dois eventos estão anunciados para a Casa da Cultura da Sertã no fim de semana de 7 e 8 de dezembro.

- Publicidade -

No dia 7 de dezembro, às 21h30m, aquela sala de espetáculos vai ser palco do recital com “Ericae Trio”. O nome do trio remete para três das mais emblemáticas plantas da Região, pertencentes à mesma família ericaceae, que remetem para o feminino, “afirmando-se na natureza tantas vezes adversa, com a elegância e beleza das suas flores”, conforme refere Rita Mendes, um dos elementos do grupo.

As três artistas são naturais dos concelhos da Sertã e Proença-a-Nova, terras do interior “que se mostram cada vez mais resilientes e com vontade de vencer”, e juntaram-se para partilhar e divulgar a música clássica, especialmente na região onde cresceram.

- Publicidade -

Promovido pelo Município da Sertã, o recital tem entrada livre e dirige-se ao público em geral. O trio é composto por Rita Mendes (flauta), Ana Sofia Ventura (voz – soprano) e Rita Pires (piano).

A 8 de dezembro, às 16 horas, a Casa da Cultura vai ser palco do concerto “Sempre Natal: do erudito ao Jazz de Hollywood”. Será um concerto de Natal capaz de agradar aos diferentes gostos musicais, que aborda tanto as linguagens eruditas como as expressões da modernidade, numa roupagem transversal e para todas as idades.

Promovido pelo Município da Sertã, o concerto tem entrada livre e em palco estarão Ricardo Neves (Tenor), Nuno Caldeira (Guitarra), Rodrigo Neves (Saxofone) e Pedro Almeida (Piano). Contará com a participação especial de Paloma.

Em espírito de Natal, o público é convidado a percorrer os diversos estilos de música que assinalam esta quadra festiva, seja ao som de uma “Avé Maria” de Schubert ou de uma banda sonora de Jazz de Hollywood.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça o seu comentário, por favor!
O seu nome