Apoie o jornalismo que fazemos,
junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -
Segunda-feira, Junho 14, 2021

Apoie o jornalismo que fazemos, junte-se à nossa Comunidade de Leitores

- Publicidade -

Sertã | Presidente da Junta apostada na reeleição pelo PSD em terras de S. Nuno

A completar o seu primeiro mandato como presidente da União das Freguesias de Cernache do Bonjardim, Nesperal e Palhais, Maria Filomena Bernardo (PSD) mostra-se determinada na reeleição nas próximas autárquicas. “Estou cheia de força. Acho que até agora não falhei com as pessoas”, diz a autarca em entrevista ao mediotejo.net.

- Publicidade -

“Neste mandato não prometi fazer autoestradas, nem hotéis, até porque uma junta não tem capacidade orçamental para isso. Prometi estar com as pessoas e isso este executivo cumpriu, durante a pandemia mais ainda. Criámos um grupo de voluntários e quando as pessoas precisam de nós e nós estamos lá”, realça Filomena Bernardo.

Reconhece que ainda há muito para fazer e confessa que as suas maiores frustrações nestes quatro anos de mandato foi não ter conseguido revitalizar o parque de feiras, “que está a morrer”. Gostava também de ter criado uma praia fluvial na albufeira de Castelo do Bode. Até porque o território sob sua responsabilidade tem a maior extensão ribeirinha do concelho, do Trízio à Várzea de Pedro Mouro.

- Publicidade -

O seu primeiro mandato à frente da União de Freguesias fica marcado pela pandemia e pelos incêndios. “Como vê, sobrou muito pouco tempo para trabalhar”, confessa. Mesmo assim, destaca: “conseguimos fazer um evento há muito desejado, as “Festas de S. Nuno – Villa Condestável” em 2019 que foi um sucesso estrondoso”.

Mas, sobretudo, “conseguimos cumprir a promessa que era estar com as pessoas e isso nós cumprimos na íntegra”, garante a autarca.

De resto, as lutas mantêm-se por exemplo em relação à necessidade de requalificação da EN  238 e de dinamização da zona industrial.

Filomena Bernardo acredita que a Câmara da Sertã concretize o projeto previsto para o antigo edifício dos Correios que a autarquia adquiriu e onde se pretende instalar um polo do SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta. O posto dos CTT está atualmente a funcionar no edifício da Junta, a par com o Espaço do Cidadão.

Questionada sobre os principais problemas da sua freguesia, a autarca aponta a falta de empregos – “extensível a todo o concelho e a toda a Beira Interior”, as vias de comunicação nomeadamente a EN238 e a “falta de empresários que venham desenvolver esta grande terra de S. Nuno de Santa Maria”.

Realça uma fábrica na zona industrial de Cernache que emprega quase 90 mulheres. Trata-se da Viviana – Fábrica de Confeções, Lda, implantada ali há cerca de 30 anos.

Sede da Junta de Freguesia. Foto: mediotejo.net

Uma autarca “sem papas na língua”

Em termos demográficos, a União de Freguesias tem uma população maioritariamente idosa, “um aspeto que o Governo esquece, porque esta gente precisa de apoio e acompanhamento”.

Em 2011, só a freguesia de Cernache tinha 3 052 habitantes. Criada em 2013 aquando da reorganização administrativa, a União das Freguesias de Cernache de Bonjardim, Nesperal e Palhais, agregou três freguesias que somam atualmente cerca de 3500 habitantes, constituindo a maior freguesia do concelho, com 101,84 km² de área.

Lutando contra a crescente desertificação e envelhecimento da população, Filomena Bernardo continua a acreditar nas potencialidades do seu território. “Temos de lutar por manter o posto da GNR, o centro de saúde, os bancos, a farmácia e outros serviços que servem a União de Freguesias e as freguesias vizinhas”, defende a autarca, que destaca o papel de proximidade que tem a Junta de Freguesia: “é sempre a primeira porta onde a população bate”.

Obra importante há muito aguardada pelos moradores da freguesia é a requalificação do mercado municipal, da responsabilidade da Câmara. A Presidente da Junta acredita que as obras começarão brevemente até porque os contentores que estão no mercado da Sertã, atualmente em obras, foram alugados por mais um ano para as obras do mercado de Cernache.

Outra obra, mas esta a sair do orçamento da Junta, é a reabilitação e preservação dos fontanários existentes na União de Freguesias, adjudicada em abril à empresa Construções – Armando & Caetano, Lda por 74.340 euros + IVA.

A autarca de Cernache é conhecida por não ter papas na língua e por sair sempre em defesa do seu território e das suas gentes, à frente de interesses partidários. Isso é particularmente visível nas suas intervenções na Assembleia Municipal.

“Se nas assembleias falo muito é porque acho que é esse o papel do Presidente de Junta. Nós não estamos lá para defender partidos, estamos lá para defender a nossa população, porque fomos eleitos para isso mesmo. Há de reparar que as minhas intervenções não são de política de esquerda ou de direita, mas sim para defender Cernache do Bonjardim, Nesperal e Palhais”, sublinha a autarca.

Foi em Cernache do Bonjardim que nasceu uma importante figura histórica de Portugal, D. Nuno Álvares Pereira, canonizado pelo Papa, passando a ser denominado por S. Nuno de Santa Maria.

É nesta vila que funciona o Instituto Vaz Serra fundado por volta de 1950 e que chegou a ser frequentado por 700 alunos.

Mais antigo é o Clube Bonjardim fundado em 20 de fevereiro de 1885 e atualmente ainda em funcionamento.

A rádio Condestável, pioneira e ainda uma referência na região, tem estúdios na vila de Cernache. A nível de imprensa escrita, a “Comarca da Sertã”, que comemorou em maio 85 anos, continua a lutar pela sua sobrevivência em tempos difíceis para a comunicação social.

No campo desportivo o nome incontornável é o Grupo Desportivo Vitória de Sernache que disputa o Campeonato de Portugal e movimenta largas dezenas de atletas de diferentes escalões. 

Uma referência final para os Cartuchos de Amêndoa de Cernache do Bonjardim, iguaria que se apurou como pré-finalista do concurso 7 Maravilhas Doces de Portugal.

Ganhou o “bichinho” do jornalismo quando, no início dos anos 80, começou a trabalhar como compositor numa tipografia em Tomar. Caractere a caractere, manualmente ou na velha Linotype, alinhavava palavras que davam corpo a jornais e livros. Desde então e em vários projetos esteve sempre ligado ao jornalismo, paixão que lhe corre nas veias.

- Publicidade -
- Publicidade -

COMENTÁRIOS

Please enter your comment!
O seu nome