Sertã | Pintor Tullio Victorino recordado em tertúlia

A Câmara da Sertã vai promover esta quarta-feira, dia 14 de dezembro, no Ateliê Túlio Victorino, em Cernache do Bonjardim, a partir das 16:30, uma iniciativa que assinala os 120 anos do nascimento do pintor Túllio Victorino. Para o efeito, a autarquia convidou especialistas para uma conversa informal sobre arte e a obra deste vulto da cultura sertaginense.

PUB

Os 120 anos do nascimento do pintor Túllio Victorino são o mote desta tertúlia que junta os convidados Manuel Costa Cabral, Miguel Telles da Gama e Pedro Calapez. A moderação estará a cargo do escritor Miguel-Manso.

A tertúlia terá como objetivo a discussão informal de ideias sobre a pintura contemporânea portuguesa e o papel que o pintor Túllio Victorino desempenhou no seu seio.

PUB

“Esta iniciativa insere-se numa estratégia de promoção e divulgação da vida e obra do pintor Túllio Vitorino, natural do concelho, durante a qual foram já realizadas algumas exposições com quadros seus e com obras de outros pintores com quem tinha relações, como José Malhoa”, refere o presidente da autarquia, José Farinha Nunes, citado numa nota de imprensa.

José Farinha Nunes acredita que esta “aposta nos vultos culturais que nasceram no concelho imprime uma nova dinâmica ao sector da cultura e afirma a Sertã no panorama nacional, mostrando que no Interior também se presta atenção a estes fenómenos”.

PUB

Sobre o pintor Túllio Victorino:

Túlio da Costa Vitorino nasceu em Cernache do Bonjardim a 14 de dezembro de 1896. Filho do abastado proprietário e político republicano, Alfredo Vitorino da Silva Coelho e de Alice Dias Costa, Túlio Vitorino frequentou os primeiros estudos em Cernache do Bonjardim antes de rumar a Lisboa para ingressar na Escola Industrial Afonso Domingues. O amigo e também pintor José Malhoa aconselhou-o depois a matricular-se na Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde foi aluno de Columbano Bordalo Pinheiro, uma das suas principais influências.

Nas férias em Cernache, entretinha-se a pintar e a desenhar os cenários para as peças de teatro, levadas à cena por atores amadores. Concluiu o curso na Escola de Belas-Artes do Porto, em 1919, tendo-se cruzado com outro dos seus grandes mestres, João Marques de Oliveira. Lecionou depois Desenho em alguns estabelecimentos de ensino, mas a paixão pela pintura estava já no topo das suas prioridades.

Os seus quadros foram apresentados em diversas exposições coletivas até que, em Junho de 1929, inaugurou a sua primeira exposição individual, na cidade de Castelo Branco. As suas paisagens e figuras de tipo regionalista foram muito apreciadas e o seu estilo pictórico começava a afirmar-se. Nos anos seguintes, realizou inúmeras exposições por todo o país, em cidades como Lisboa, Porto, Coimbra ou Tomar, e também no estrangeiro.

Em 1941, passou a residir em definitivo em Cernache do Bonjardim, utilizando a casa- estúdio que o seu pai começara a construir na viragem para o século XX e que Túlio Vitorino concluiu, imprimindo o seu toque tão pessoal. Casou com Fernanda Maria Vitorino, com quem teve três filhos: Hener Vitorino, Tito Vitorino e Ticiano Vitorino. Faleceu a 23 de Março de 1969.

Alguns dos seus quadros estão hoje expostos em vários museus nacionais, como o Museu Nacional Soares dos Reis, Museu José Malhoa, Museu do Chiado ou o Museu Nacional Machado de Castro.

APOIE O NOSSO JORNAL, TORNE-SE UM LEITOR BENEMÉRITO

Se lê regularmente as nossas notícias torne-se um leitor benemérito fazendo contribuições a partir de 10€/mês, ou doando valores iguais ou superiores a 100€. Esses leitores passam a constar da ficha-técnica como apoiantes deste projeto independente de jornalismo. Pode também fazer uma contribuição pontual (5€, 10€, 20€, o que puder e quiser).

- publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here